Elton John perde a voz, deixa o palco chorando e anuncia que está com pneumonia

A estrela da música Sir. Elton John interrompeu um show que realizava em Auckland, na Nova Zelândia, neste domingo, e anunciou que está com pneumonia. O artista de 72 anos, recentemente vencedor do Oscar de melhor canção original com “(I’m Gonna) Love Me Again”, se apresentava no Mount Smart Stadium como parte de sua turnê mundial de despedida, quando perdeu a voz e começou a chorar no palco. Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram o cantor sendo escoltado do palco, enquanto milhares de fãs o aplaudem de pé.

O britânico postou sobre sua doença no Twitter e no Instagram, dizendo que estava “profundamente chateado e arrependido” por sua performance, agradecendo pelo apoio. “Quero agradecer a todos que compareceram ao show do #EltonFarewellTour em Auckland hoje à noite. Fui diagnosticado com  pneumonia atípica hoje cedo, mas estava determinado a dar a você o melhor show humanamente possível.

Ele está programado para realizar mais dois shows na cidade da Nova Zelândia no final desta semana, e os ingressos ainda estão à venda. Pneumonia atípica é um termo médico que descreve um caso leve da doença, de acordo com a American Lung Association. Ela é causada por bactérias e vírus e seus sintomas incluem febre, dor no peito, tosse e dor no peito – semelhante ao resfriado, mas os pacientes geralmente conseguem continuar as atividades diárias.

*Correiodopovo

Simone e Simaria lançaram música nova, ‘Amoreco’,

Simone e Simaria lançaram nesta sexta-feira (7) a faixa Amoreco. Inédita, a canção é parte do repertório do novo DVD das sertanejas, Bar das Coleguinhas 2.

O videoclipe do single, também lançado nesta sexta, foi gravado na Villa Country, tradicional casa sertaneja de São Paulo. Segundo Simaria, “desde o primeiro momento que ouvimos a música, achamos incrível a letra e resolvemos gravar, na hora. No dia seguinte já comecei a produção musical, liguei para o produtor Borquez me ajudar e produzimos tudo por telefone. Falei para ele como eu gostaria e para incluir o Sax, que é super a cara do nosso novo projeto do Bar das Coleguinhas. O povo vai pirar e tomar cachaça até uns dias”.

Simone acredita que Amoreco tem “tudo a ver” com o DVD Bar das Coleguinhas 2 e com a nova fase da dupla sertaneja. “É uma música gostosa, dançante e que fala de amor”, diz. “Estava com saudades de fazer sofrência, que é mais a minha praia, a minha cara”, completa a cantora.

Assista ao clipe de Amoreco, nova música de trabalho de Simone e Simaria:

Entenda o significado da música Gita, de Raul Seixas

O rock and roll de Raul Seixas foi construído à base de muito misticismo, através da influência de líderes ocultistas e até de filósofos importantes.

O resultado foi a criação de músicas marcantes com significados capazes de fazer a nossa cabeça girar. A música Gita é uma dessas que trazem significados e visões diferentes.

A bela melodia se encontra com a letra poética e um tanto emblemática, característica que faz com que os fãs do maluco beleza se emocionem até hoje.

Vamos mergulhar juntos no significado de Gita e analisar a letra? Bora lá!

Significado da música Gita

Para alguns, um doido, para outros, um gênio. E por que não os dois?

Somente Raul Seixas poderia escrever uma música como Gitacuja inspiração veio do livro Bhagavad Gita, conhecido como um dos mais importantes textos da cultura indiana, escrito no século 4 antes de Cristo.

A obra fala sobre quais seriam os caminhos para o homem evoluir espiritualmente, apresentados através de um diálogo entre Krishna, a representação de Deus, e Arjuna, um discípulo guerreiro.

Representação de Krishna e Arjuna
Representação de Arjuna e Krishna / Créditos: Divulgação

Raul tirou a inspiração para compor a letra de Gita ao lado de Paulo Coelho, do trecho onde Arjuna pergunta à Krishna quem seria ele. Ou seja, como o povo hindu poderia compreender quem é Krishna (Deus)?

De sua resposta, veio boa parte da inspiração para criar Gita. Krishna teria dito: Entre as estrelas sou a lua… entre os animais selvagens sou o leão… dos peixes eu sou o tubarão…. de todas as criações eu sou o início e também o fim e também o meio.

Representação de Krishna e Arjuna
Representação de Krishna e Arjuna / Créditos: Divulgação

A letra foi composta em 1974 e faz parte do álbum homônimo, lançado no mesmo ano, que se tornou o trabalho de maior sucesso da carreira do Maluco Beleza.

Agora vamos juntos analisar trecho a trecho a música?

Análise da música Gita

Gita começa com Raul anunciando que boa parte da sua busca pela evolução espiritual e da consciência era feita perambulando pelo mundo. 

Porém, foi através de um sonho que Ele, com escrita em maiúscula, sugerindo assim uma divindade, lhe falou. Ou seja, revelou alguns caminhos.

Caminhos
Créditos: Divulgação

Eu, que já andei pelos quatro cantos do mundo procurando
Foi justamente num sonho que Ele me falou

As duas estrofes seguintes nos levam a uma interpretação ambígua.

Vale lembrar que isso é absolutamente normal, uma vez que toda composição ou obra artística permite que cada um faça uma interpretação a partir de suas próprias percepções e vivências.

Às vezes você me pergunta
Por que é que eu sou tão calado
Não falo de amor quase nada
Nem fico sorrindo ao teu lado

Este trecho pode ser interpretado como uma reflexão sobre o próprio Raul e o seu modo de ser, mas também pode ser visto como a divindade se manifestando em um diálogo: o Deus onipresente, calado e ausente.

Você pensa em mim toda hora
Me come, me cospe, me deixa
Talvez você não entenda
Mas hoje eu vou lhe mostrar

Este trecho também tem a mesma ambiguidade do anterior, pois pode ser lido com um certo sentimento de raiva, como alguém reclamando sobre o quanto é usado: me come, me cospe, me deixa.

Eu sou a luz das estrelas
Eu sou a cor do luar
Eu sou as coisas da vida
Eu sou o medo de amar

Aqui observamos que Raul opta por usar, em boa parte da letra de Gita, o termo eu sou, que hoje é muito difundido por algumas correntes esotéricas e espiritualistas como uma forma de manifestar Deus em nós mesmos.  

Podemos compreender, no significado de Gita, o termo sendo utilizado com bastante ênfase e repetição, dando a entender que somos a conexão com tudo o que existe, as estrelas, o universo, o amor. 

Podemos ser fortes e ao mesmo tempo fracos, como Raul sugere ao falar sobre o medo de amar, algo tão comum em nossa sociedade.

Eu sou o medo do fraco
A força da imaginação
O blefe do jogador
Eu sou, eu fui, eu vou

Ele continua com a mesma linha de raciocínio, sugerindo que o ser humano tem medo de ser fraco. Porém, ao se permitir e reconhecer a sua força interna, ele se liberta através da imaginação.

Eu sou o seu sacrifício
A placa de contramão
O sangue no olhar do vampiro
E as juras de maldição

Outra forma de ver a canção, especialmente por este trecho, é como se Deus estivesse respondendo quem ele realmente é.

Eu sou a vela que acende
Eu sou a luz que se apaga
Eu sou a beira do abismo
Eu sou o tudo e o nada 

A letra sugere uma conexão a respeito da forma como nós costumamos buscar Deus.

Cada um costuma fazer a sua conexão com Deus de acordo com a sua religião, mas a letra de Gita diz que Deus é você, e ele está em tudo.

Por que você me pergunta?
Perguntas não vão lhe mostrar
Que eu sou feito da terra
Do fogo, da água e do ar

Essa interpretação ganha força neste trecho, onde Raul e Paulo Coelho falam sobre as indagações.

Por que você me pergunta quem é Deus? Questionar não teria qualquer tipo de efeito. É preciso sentir a presença divina através dos elementos, como fogo, água e ar.

Você me tem todo dia
Mas não sabe se é bom ou ruim
Mas saiba que eu estou em você
Mas você não está em mim

Das telhas, eu sou o telhado
A pesca do pescador
A letra A tem meu nome
Dos sonhos, eu sou o amor

Apesar de não responder à prece de Raul, que nessa letra podemos interpretar como uma representação de todos nós, Krishna diz que está em todos os momentos, inclusive nos objetos mais estranhos. 

Eu sou a dona de casa
Nos pegue-pagues do mundo
Eu sou a mão do carrasco
Sou raso, largo, profundo
(Gita! Gita! Gita! Gita! Gita!)

É importante analisarmos também a própria palavra. Gita, que Raul repete em alguns trechos, vem do Bhagavad Gita, que significa Canção de Deus

Não existe distinção entre as funções que cada um desempenha na sociedade, nem importa o local onde se está agora. Deus pode ser acessado em qualquer lugar, mas sempre dentro de você mesmo.

Eu sou a mosca da sopa
E o dente do tubarão
Eu sou os olhos do cego
E a cegueira da visão

Eu, mas eu sou o amargo da língua
A mãe, o pai e o avô
O filho que ainda não veio
O início, o fim e o meio
O início, o fim e o meio
Eu sou o início, o fim e o meio
Eu sou o início, o fim e o meio 

As estrofes finais de Gita deixam isso bem claro ao mencionar eu sou o início, o fim e o meio. Lembre-se que, no início da música, logo na primeira estrofe, temos Raul afirmando que Deus falou com ele através de um sonho.

Nas demais estrofes, vemos representações, respostas de quem seria Deus e de como nós poderíamos compreender essa força.

A canção parece explicar sobre como deveríamos reconhecer Deus. Não que isso se torne fácil, uma vez que exige uma transformação do ego, passando pela busca do despertar da consciência para enxergar a nossa própria luz. É um caminho individual.

O contato com a nossa essência parece ter sido complicado ainda mais pelas instituições religiosas, que fizeram com que o ser humano precisasse de meios para se alcançar o fim, quando na verdade não é bem assim, como sugere a letra de Gita.

E você, o que acha? 

Música de Manu Gavassi volta às paradas após 10 anos de lançada

A passagem de Manu Gavassi pelo Big Brother Brasil 20 tem rendido ótimos frutos para a carreira musical da artista. Por exemplo, uma de suas canções voltou às paradas depois de 10 anos de lançada.

Em apenas uma semana dentro do BBB20, Manu fez com que o seu primeiro hit, Planos Impossíveis, lançado originalmente em 2010, se tornar uma das 30 músicas mais ouvidas do Brasil nos últimos dias.

A canção, que é uma das faixas do álbum de estreia da artista, tem aparecido na lista de As 50 Virais do Spotify. E pelo que tudo indica, esta pode não ser a única música que Manu pode emplacar nos próximos dias.

Com o andar da carruagem, o single Áudio de Desculpas, que teve seu clipe divulgado nesta terça-feira (28), já conta com mais de um milhão de visualizações no youtube. Um dos maiores números do EP Cute But (still) Psycho.

Manu Gavassi no Spotify (Reprodução)

*observatoriodatv.bol.uol.com.br

A letra censurada de Tim Maia, sem música, é outra lenda do ‘Síndico’

♪ MEMÓRIA – Na segunda-feira, 27 de janeiro, o músico Marlon Sette postou em rede social uma letra censurada de Tim Maia (1942 – 1998). A publicação reacendeu o debate sobre Anistia (Uma questão de amor), letra vetada em junho de 1978 pela censura vigente no Brasil dos anos 1970.

Revelado há alguns anos, quando vieram à tona documentos do Serviço de Censura de Diversões Públicas, o veto da letra de Tim é real e consta do Arquivo Nacional. Mas a música, nunca encontrada, pode ser irreal e, por isso mesmo, desconhecida.

Anistia (Uma questão de amor) gera mais uma conta para o rosário de pérolas do cantor e compositor carioca, tradutor da soul music norte-americana para o idioma musical do Brasil. A versão mais corrente é a de que Tim nunca fez a rigor uma música para essa letra, cujos versos destoam totalmente do estilo mais sucinto e informal do cancioneiro autoral do compositor.

É que, pressionado pelo executivo da WEA André Midani (1932 – 2019) para apresentar o repertório do álbum Tim Maia Disco Club, disco que marcou a estreia do artista na gravadora (através do selo Atlantic) com mix saboroso de funk e disco music, o Síndico teria escrito a toque de caixa a letra de Anistia (Uma questão de amor) com base em texto da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), instituição que tinha aderido à campanha pela Anistia ampla, geral e irrestrita, iniciada em 1975. A letra teria sido uma estratégia de Tim para se livrar da cobrança de Midani.

Parecer da censura sobre a música 'Anistia (Uma questão de amor)', de Tim Maia — Foto: Reprodução

Parecer da censura sobre a música ‘Anistia (Uma questão de amor)’, de Tim Maia — Foto: Reprodução

Se a música é uma lenda, o veto da letra de fato existiu. Mas não impediu o sucesso de Tim Maia Disco Club, álbum que reconduziu o cantor às paradas nacionais com sucessos como Sossego (música desde então incorporada aos roteiros dos shows de Tim), Acenda o farol e A fim de voltar (parceria de Tim com o soulman Hyldon).

O álbum Tim Maia Disco Club passou para a história como um dos melhores discos de Tim e Anistia, a suposta música, caiu no esquecimento. Até porque, se a melodia foi realmente feita (o que parece improvável), a letra logo ficou datada quando, em 28 de agosto de 1979, o então presidente do Brasil, João Figueiredo (1918 – 1999), sancionou a Lei de Anistia, sucumbindo às pressões da sociedade para reconduzir os exilados, livres, ao Brasil.

Ficam para a posteridade o veto e a lenda da “música” censurada de Tim Maia.

*G1

Ivete Sangalo renova o tempo de alegria com EP carnavalesco

Resenha de EP

Título: O mundo vai

Artista: Ivete Sangalo

Gravadora: Universal Music

Cotação: * * *

♪ Por mais que venha fazendo conexões com artistas de outros segmentos musicais nos últimos anos, como manda lei vigente na indústria da música pop, Ivete Sangalo é essencialmente uma boa cantora associada ao Carnaval.

Foi como vocalista da Banda Eva que a baiana Ivete despontou nacionalmente em 1993, despertando a atenção de ninguém menos do que Maria Bethânia pela voz quente e afinada.

O mundo vai – EP lançado por Ivete nesta sexta-feira, 24 de janeiro, com três músicas inéditas – reconecta a artista com essa origem carnavalesca. Produzido por Radamés Venâncio, o disco lega um clássico instantâneo para o repertório de shows dessa cantora que sempre brilhou mais no palco pelo carisma incendiário.

De pegada agalopada, a música-título O mundo vai (Ivete Sangalo, Gigi, Ramon Cruz, Samir Trindade, Radamés Venâncio e Tierry Coringa) é simplesmente irresistível como os melhores hits da época áurea da axé musicO mundo vai é aquela música feita para todo mundo “tirar o pé no chão” – como manda a cantora no shows que faz Brasil afora – e ir atrás do trio elétrico pulando que nem pipoca.

“Bota lá no grupo que o couro tá comendo”, canta Ivete em verso da letra dessa música que se conecta com tradições da axé music sem abrir mão de linguagem atual, mais coloquial e conectada com os tempos digitais.

É tempo de alegria industrializada na Bahia. No disco O mundo vai, Ivete acena para essa indústria e para as pipocas de Salvador (BA) e de outros cidades do Brasil com alta dose de romantismo pop.

Ciente de que nestes tempos às vezes mais importa um post do que um som para ficar bem na foto, a cantora divide com o youtuber piauiense Whindersson Nunes uma das duas músicas românticas do disco, Coisa linda, composição de autoria de Samir Trindade.

Nunes faz o papel de cantor sem constrangimento e sem fazer graça. E, justiça seja feita, dentro do contexto do disco, o humorista funciona tanto quanto Tom Kray, o outro convidado de Ivete. Cantor anteriormente conhecido como Tomate, Kray canta Não me olha assim com Ivete.

Essa composição de Luciano Luila, Ivan Lawinscky, Paulo Dutinni, Adenilson Peluso e Arthur Ramos poderia soar como tantas outras (triviais) canções de amor já gravadas por Ivete na carreira solo iniciada em 1999. No disco O mundo vai, a canção é ajustada ao tom carnavalizante do EP, sendo introduzida pelo toque de berimbau e embasada com baticum que remete à batida do samba-reggae.

Tanto Coisa linda como Não me olha assim deverão enternecer seguidores de Ivete, já habituados com a diluição pop do repertório da cantora. Para quem nem sempre vai atrás do trio elétrico desta verdadeira baiana, a grande música do EP é a faixa-título O mundo vai. Com ela, vai rolar novamente a festa de Ivete Sangalo.

*G1

Ximbinha fala sobre acusação de agressão: “muito alterada”

O Guitarrista Ximbinha decidiu se manifestar pela primeira vez após o ocorrido de acusação.

Para quem não se lembra a vocalista do seu projeto Cabaré do Brega, Carla Maués, contou ao amigo e empresário Wlad Costa, que Ximbinha havia batido nela. O empresário fez uma live em sua rede social contando toda a verdade sobre a agressão.

Agora, Ximbinha alega que acusação não procede e que Carla foi quem chegou “muito alterada”, no dia 11 de dezembro do ano passado.

O músico divulgou um vídeo em que comprova que a filha de Carla não presenciou a discussão – conforme foi dito anteriormente. Ele afirmou que quando percebeu que Carla estava “muito alterada”  imediatamente a informou que não precisaria gravar naquela situação.

Segundo ele, Carla “perdeu a cabeça” e começou a ofendê-lo e chegou a chutar a porta do estúdio.

Ximbinha também divulgou vídeo do cantor e compositor Edilson Moreno que comprova que filha de Carla Maués não presenciou qualquer discussão entre ela e Ximbinha. No vídeo, Edilson Moreno ressalta que assim que Carla chegou “alterada” ao estúdio de gravação pegou a criança e a levou para área externa do estúdio.

Assista ao vídeo e comente com a gente o que achou:

*Terra

MÚSICA – Sertanejo Victor é condenado por agredir a ex-mulher

Quase três anos após o caso de agressão, as imagens que mostram a briga no elevador entre o cantor Victor Chaves, da dupla Victor e Leo, e sua ex-esposa, a empresária Poliana, foram divulgadas pela primeira vez por uma emissora de TV na noite do último domingo (12). As imagens fazem parte do processo contra Victor. Ele foi condenado a 18 dias de prisão simples em regime aberto por agressão “sem deixar lesões aparentes” no fim de 2019. A pena pode ser convertida em trabalho comunitário. 

agressão ocorreu em fevereiro de 2017 em Belo Horizonte. O vídeo reproduzido foi captado pela câmera de segurança do condomínio onde os dois moravam com a família na capital mineira. Na época, Poliana estava grávida de quatro meses do segundo filho do casal. 

Segundo testemunhas, no dia da agressão a empresária teria discutido com a ex sogra, que morava no mesmo prédio. As imagens da câmera de segurança mostram Poliana indo ao elevador tentando digitar o código de segurança. No momento, a cunhada da empresária, Paula Chaves, também entra no elevador. 

O vídeo mostra Victor puxando as duas para fora do elevador, fazendo com que Poliana caísse no chão. O cantor sertanejo levanta uma das pernas contra a esposa, como um chute

Mudança na carreira

Léo Chaves afirmou que as denúncias contra o irmão não tem ligação com o fim da dupla, anunciado em 2018. Os cantores eram jurados do The Voice Kids (TV Globo) em 2017. Victor pediu para se afastar do programa após a repercussão do caso. 

*R7

Maiara, dupla de Maraísa, e Fernando, de Sorocaba, reatam

Maiara e Fernando Zor se reconciliaram! Os sertanejos reataram o relacionamento após desentendimento pessoal do casal que culminou em um tempo separados. De acordo com a colunista Fábia Oliveira, o casal prefere, dessa vez, manter a discrição e se relacionar longe dos olhos do público. Evitando aparecer juntos publicamente, eles, até mesmo, realizaram viagens às escondidas para matar a saudade. Na semana passada, a dupla de Sorocaba fez uma rápida visita a amada em São Paulo para apoiá-la durante recuperação de cirurgia de aplicação de próteses de silicone nos seios. O cantor estava curtindo a féria com a família e amigos em Floripa, Santa Catarina, mas resolveu dar uma pausa nas celebrações para visitar a amada.

Apesar de Maiara afirmar que estava solteira em show, a separação do casal não passou de um evento momentâneo. Após se reconciliarem, os cantores voltaram a usar acessórios simbólicos que marcam a união. Entre eles, a irmã de Maraisa continua usando uma pulseira com as iniciais de ambos. Já o sertanejo deixou o item igual de lado e tem eleito o relógio presenteado pela amada para compor o visual. Fernando Zor está usando um Rolex branco, dado pela cantora, que custa cerca de R$ 40 mil.

Entenda o hiatus no namoro de Maiara e Fernando Zor

Tudo começou no dia 28 de dezembro. A dona do hit “Se Eu Escapar” movimentou as redes sociais e causou especulações dos internautas ao deixar de seguir e apagar as fotos com a dupla de Sorocaba no Instagram. 3 dias depois, a cantora ainda deletou todas as imagens de seu perfil e fez texto reflexivo sofre afastamento da web. No dia 30, a sertaneja realizou um show em Cruzília, Minas Gerais, e, na ocasião, confirmou a separação: “Estou solteira”. A afirmação, no entanto, foi negada pela assessoria de imprensa da sertaneja e descrita apenas como uma brincadeira.

A separação do casal foi muito especulada nas redes sociais, porém um amigo em comum dos dois foi a público comentar sobre os rumores. “Como a internet é maldosa, fazem tudo por likes ou comentários, aqui estou. Sou amigo pessoal da Maiara e do Fernando e já conversei com ambos. Eles brigaram (como todo casal briga), não terminaram. Vamos ter mais amor no coração! Internet está virando terra do São Ninguém. Ninguém confirmou nada”, explicou Cauê Garcia.

*Terra

Neil Peart, lendário baterista do Rush, morre aos 67 anos

Neil Peart, baterista e compositor da banda Rush, morreu aos 67 anos em Santa Monica, nos EUA. Ele lutava contra um câncer no cérebro há três anos.

Neil era um dos bateristas mais respeitados da história do rock, com estilo virtuoso que era referência.

“É com os corações partidos e profunda tristeza que temos que compartilhar a terrível notícia que nosso amigo, irmão de alma e companheiro de banda por 45 anos, Neil, perdeu sua incrível batalha de três anos e meio contra o câncer de cérebro”, diz comunicado oficial da banda.

Neil nasceu em 12 de setembro de 1952, em Ontario, no Canadá, e aos 13 anos começou a estudar bateria. Logo depois, se mudou para Londres e só voltou a morar no país de origem em 1972.

Ele entrou para a banda Rush, formada pelo guitarrista Alex Lifeson, em 1974, mesmo ano em que entrou o baixista e vocalista Geddy Lee.

Com a entrada de Neil, o Rush se tornou um dos trios mais reconhecidos do rock, que encerrou as atividades em 2018.

*tribunadejundiai

Veja aqui, materia emocionante da Globo