Elvis Presley ganhará série animada da Netflix

Elvis Presley ganhará uma série animada produzida pela Netflix. Conforme informações da Variety, intitulada como “Agent King”, o programa é uma criação de Priscilla Presley, viúva do cantor, e John Eddie. 

No programa, o cantor é incluído, secretamente, em um programa de espionagem do governo americano para ajudar a combater as forças das trevas que ameaçam o país. Ele alterna a vida de espião com a de rock star. 

Segundo Priscilla, Elvis sempre sonhou em se tornar um super-herói. “O agente King permite que ele faça exatamente isso. Meu co-criador, John Eddie, e eu estamos tão animados por trabalhar com a Netflix e a Sony Animation neste incrível projeto e ter a chance de mostrar ao mundo um Elvis que eles não viram antes.”

Não há previsão de estreia para o seriado. 

*Correiodopovo

BTS anuncia pausa na carreira

O grupo sul-coreano BTS anunciou uma “pausa” na carreira para permitir que os integrantes da banda “recarreguem as energias”. A agência Big Hit Entertainment anunciou que os membros do BTS farão a “primeira pausa oficial desde seu início, há seis anos”, que deve durar algumas semanas, pois uma apresentação está agendada para 11 de outubro na Arábia Saudita.

A agência destacou em um comunicado, que a pausa servirá para que os sete integrantes do grupo para “aproveitem a vida cotidiana como jovens de 20 anos”, “recarreguem as energias e se renovem como músicos e criadores”.

O BTS (abreviação de Bangtan Sonyeondan, que significa “Escoteiros à prova de balas”) é um fenômeno musical. É o primeiro grupo de K-pop a liderar as vendas nos Estados Unidos e Reino Unido.

*Correiodopovo.com.br

Lady Gaga é acusada de plágio em “Shallow”

A cantora Lady Gaga, 33 anos, pode enfrentar processo milionário na Justiça da Inglaterra depois de ser acusada de plágio em seu sucesso Shallow, presente na trilha sonora do remake de Nasce Uma Estrela (2018), que estrelou ao lado de Bradley Cooper, 44.

De acordo com o jornal britânico The Independent, um compositor desconhecido afirma que Gaga usou a mesma progressão de notas de uma canção dele lançada há seis anos chamada Almost.

O músico Steve Ronsen usa como principal argumento de que a artista imitou a progressão das três primeiras notas da canção dele, que são sol, lá e si.

Segundo reportagem, o compositor pede milhões como forma de ressarcimento da cópia que ele alega que Gaga cometeu. Em entrevista ao PageSix, o advogado de Steve contou que equipe do músico entregou um relatório aos representantes de Gaga mostrando a similaridade.

— Em nome de uma saída amigável, minha equipe entregou a Lady Gaga um relatório oficial, com um renomado especialista determinando que há semelhanças no tempo, ritmo e harmonia entre as canções.

Tanto a cantora quanto seus advogados negam todas as acusações. Segundo os advogados de Gaga, isso não passa de um homem tentando ganhar dinheiro em cima do sucesso dos outros.

— Mr. Ronsen e seu advogado estão tentando ganhar dinheiro fácil às custas de uma artista de sucesso.

*Zerohora

“A sofrência em cima do palco vai continuar”, diz Marília Mendonça

Na tarde deste domingo (11), a principal cantora da atualidade da música brasileira estará entre nós, apresentando seu show batizado de Todos Os Cantos, na Marina Navegantes São João.  No momento, não é exagero definir Marília Mendonça desta maneira, principalmente, pelos seus números superlativos: em ranking divulgado nesta semana, pelo Spotify, ela aparece nos calcanhares de Felipe Araújo, primeiro brasileiro na lista do Top 5 das músicas mais ouvidas na história do Spotify Brasil. 

Com Atrasadinha, Felipe ficou 84 dias como o artista mais ouvido. Marília, com Todo Mundo Vai Sofrer, já está há 79 dias com a música mais ouvida na plataforma digital. O número 1 da lista é Calvin Harris, que ficou 130 dias como artista mais ouvido, com a faixa Blame

Já o clipe da faixa, lançado há dois meses, tem mais de 160 milhões de visualizações. Para completar, somente quatro de suas principais músicas somam o incrível número de 1,7 bilhão de visualizações no YouTube, plataforma na qual Marília é a cantora mais ouvida no país, há 145 semanas. 

Além desse sucesso todo no palco, a Rainha da Sofrência, como ficou conhecida, agitou os noticiários nos últimos meses ao anunciar sua gravidez, em junho – ela será mãe de um menino, que deve nascer no começo de 2020, fruto do relacionamento com o sertanejo Murilo Huff. 

Por e-mail, a goiana, 24 anos, falou sobre sua nova rotina, como tem conciliado os shows com os cuidados com a gravidez e sobre a apresentação que fará neste domingo, que também tem como atração Jerry Smith, do hit Quem Tem o Dom. O evento é uma promoção da rádio 92 (92.1FM). 

Como estás conciliando tua rotina de shows (em agosto, a agenda da estrela marca 19 apresentações) com a gravidez? 

Por enquanto, estou seguindo tudo normal, só lidando com a variação de humor mesmo (risos). Mas, na rotina, não tenho nenhuma restrição e pretendo seguir com todos os compromissos.

Quando tu pretende dar uma pausa nos shows?

(Se tudo estiver) correndo bem, pretendo ir até o finalzinho do ano. Depois, vou dar uma pausa e me preservar para esse momento tão especial.

Tua vida pessoal deu uma reviravolta nos últimos meses. Antes, tu cantava sobre sofrência e solidão, agora, estás namorando e grávida? Como achas que teus fãs tem recebido essa tua “mudança”?

Eu tenho conversado muito com os meus fãs sobre esse momento e tenho dito que estou no melhor momento da minha carreira e, agora, vivendo uma felicidade inexplicável também na minha vida pessoal. Tudo isso só me incentiva e me inspira a continuar fazendo o meu trabalho da forma como sempre fiz, com muito carinho e dedicação. A sofrência em cima do palco vai continuar, já tenho muitas músicas maravilhosas, que estão vindo na continuidade do projeto Todos os Cantos e mil planos para o futuro. Podem ficar tranquilos (risos).

O que os gaúchos podem esperar de diferente em relação aos teus últimos shows por aqui que, aliás, sempre lotam)?

Esse show tem todo o repertório do Todos os Cantos. Deu trabalho para montar, porque eu não queria deixar nada de fora e, ainda, incluir músicas dos meus trabalhos anteriores. Então, está tudo nesse show, estou adorando a turnê e não vejo a hora de cantar junto com os gaúchos.  

Serviço

— O quê: festa Baila Maori, com shows de Marília Mendonça e Jerry Smith

— Quando: neste domingo, a partir das 15h

— Onde: Marina Navegantes São João, Travessia Engenheiro Régis Bitencourt, 1.101, Ilha do Pavão

— Quanto: ingressos a R$ 126,50 (frontstage) e R$ 452,50 (onstage), à venda neste link.

*Zerohora

Sarau Voador faz homenagem a Raul Seixas

Porto Alegre recebe neste final de semana um sarau em homenagem ao lendário músico Raul Seixas. O Sarau Voador – Edição Metamorfose Ambulante ocorre no domingo, às 20h, no Bar do Nito (avenida Coronel Lucas de Olveira, 105, Auxiliadora). Os ingressos para o evento custam R$ 30 e podem ser adquiridos na hora ou no site EntreAtos.

A noite terá a presença da atriz Deborah Finocchiaro e o jornalista Roger Lerina, que vão receber a cantora e compositora Izmália e o músico Jimi Joe. O evento ainda contará com o trabalho do artista visual Alexandre Carvalho, que fará pintura ao vivo.

Rock do nordeste

Nascido em Salvador, no dia 28 de junho de 1945, Raul Seixas iniciou a carreira musical em 1962, época em que a bossa nova estava em alta. Mas preferiu seguir seu próprio estilo, com influência do rock and roll, associada a elementos da música nordestina como o baião, xaxado e música brega. Sua primeira banda foi Os Relâmpagos do Rock, que mais tarde mudou o nome para The Panthers e, finalmente, Raulzito e os Panteras. 

No final dos anos 60, Raul tentou a carreira como produtor na CBS, onde produziu e compôs com Jerry Adriani, Renato e Seus Blue Caps, Trio Ternura, Sérgio Sampaio e outros. Entre seus parceiros musicais está o escritor Paulo Coelho. Eles formaram uma dupla criativa com o grupo Sociedade Alternativa, de cunho anarquista, baseado na doutrina de Aleister Crowley, e também destinado a estudos esotéricos.

Pouco antes de sua morte, em 1988, o cantor compôs, gravou e excursionou com o também baiano Marcelo Nova. Seu último LP, “A Panela do Diabo”, foi lançado dois dias antes de sua morte, em 21 de agosto de 1989.

*Correiodopovo

Fãs dos Beatles comemoram 50 anos da foto de capa de “Abbey Road”

Fãs dos Beatles do mundo todo se reuniram nesta quinta-feira perto do Abbey RoadStudios, em Londres, para marcar o 50º aniversário de uma das capas mais icônicas da história da música.

A imagem dos lendários Fab Four atravessando sobre a faixa de pedestres em frente ao local estampou o “Abbey Road”, último álbum de estúdio banda, e foi feita por volta das 11h35min da manhã do dia 8 de agosto de 1969 pelo fotógrafo escocês Iain Macmillan. A Imagem de John Lennon, Ringo Starr, Paul McCartney e George Harrison é instantaneamente reconhecida.

Centenas de pessoas se reuniram no local para tirar uma foto. “A cada hora, de cada dia, há fãs no cruzamento”, disse Richard Porter, guia turístico dos Beatles, que organizou a comemoração. “Eu também vi muotas coisas diferentes no cruzamento, desde casais tirando fotos de casamento até pessoas atravessando a faixa de segurança nuas”, comentou.

A oportunidade foi particularmente alegre para um membro de uma banda cover dos Beatles, que pedia sua namorada em casamento.

Versão comemorativa

Pelo Instagram, a banda anunciou uma versão comemorativa do trabalho, com novas mixagens em som estéreo, surround 5.1 e Dolby Atmos.

O disco é expandido com gravações e demonstrações de sessões inéditas. Estará disponível para compra a partir de 27 de setembro deste ano. “A jornada de gravação dos Beatles passou por muitas reviravoltas, aprendendo curvas e excitantes atrações. Aqui estávamos nós – ainda imaginando a magia de tudo isso ”, lembrou Paul em seu prefácio escrito para os pacotes da edição especial.

“A mágica vem das mãos tocando os instrumentos, a mistura das vozes dos Beatles, a beleza dos arranjos”, explicou o produtor Giles Martin em sua introdução escrita para a nova edição. “Nossa missão é simplesmente garantir que tudo soe tão fresco e te atinja tão forte quanto seria no dia em que foi gravado”, completou.

Imagem histórica

A ideia da foto surgiu de um desenho que McCartney rabiscou de quatro homens atravessando uma faixa de pedestres. A hora foi escolhida para evitar os fãs, que sabiam que a banda geralmente aparecia nos estúdios no meio da tarde. A polícia interrompeu o tráfego para permitir que Macmillan tirasse as fotos, seis ao todo. A quinta foto foi a escolhida, pois mostrava todos os membros da banda dando um passo sincronizado. A sessão durou apenas 10 minutos.

As gravações finais do álbum foram feitas 12 dias depois, no dia 20 de agosto. “Abbey Road” foi lançado em 26 de setembro – seis dias depois de Lennon revelar aos companheiros de banda que ele ia deixar o grupo. Gravado após o álbum “Let It Be”, lançado apenas em 8 de maio de 1970, foi criado em uma atmosfera muito mais descontraída.

O álbum tem 17 faixas, incluindo “Something” e “Here Comes the Sun”, de Harrison, “Octopus’s Garden”, de Starr, “Come Together”, de Lennon, e um medley de trechos de músicas inacabadas, em grande parte de autoria de McCartney. Fato raro, a capa não apresentava o nome da banda ou do disco. Contudo, tornou-se um clássico. Ela também alimentou a teoria da conspiração conhecida como “Paul Is Dead”.

Algumas pessoas acreditavam que McCartney tinha um cigarro na mão direita, apesar de ser canhoto, o que provaria que a pessoa na fotografia era um impostor. Também viam outras mensagens ocultas na imagem, por ele ser o único com a perna direita à frente, ao contrário de seus companheiros. E, além disso, só ele estava descalço, entre outros elementos que alimentavam a teoria de que o músico havia morrido e tinha sido substituído por um sósia.

Peregrinação

O Abbey Road Studios fica em St. John’s Wood, uma parte residencial rica do noroeste de Londres. Construído em 1829, era originalmente uma casa de nove cômodos antes de ser transformado no primeiro estúdio de gravação do mundo, em 1931. Inicialmente foi usado para gravações de música clássicas, mas acabou se abrindo para o jazz, grandes bandas e, eventualmente, o rock. Quase 190 das 210 músicas dos Beatles foram gravadas no local. A casa de McCartney em Londres fica bem na esquina do endereço célebre.

O lugar atrai beatlemaníacos de todo o mundo desde então, com inúmeros fãs sendo fotografados enquanto atravessam a faixa para reproduzir a imagem imortalizada. O cruzamento também é continuamente transmitido ao vivo pelo site do estúdio.

O estúdio, normalmente fechado ao público, desistiu de tentar dissuadir os visitantes de rabiscar grafites no muro branco do jardim e agora incentiva as manifestações. A faixa de pedestres ganhou status de monumento histórico inglês em 2010.

*Correiodopovo

Metallica é acusado de revender os próprios ingressos para lucrar mais

20 anos após entrar na Justiça para impedir que o Napster disponibilizasse suas músicas de forma digital, o Metallica volta a ser assunto na Justiça norte-americana, mas desta vez como suposto culpado de um esquema de fraude.

Segundo áudio de 2017 obtido pela revista Billboard, um representante do grupo de heavy metal teria criado um esquema de fraude na venda de ingressos para aumentar a margem de lucro.

A revista conseguiu a gravação de um telefonema de 11 minutos de 2017 na qual conversavam o presidente de shows da Live Nation, Bob Roux, Tony DiCioccio, antigo representante do Metallica, e o promotor independente Vaughn Millette.
A ligação foi feita antes da WorldWired Tour e teria captado DiCioccio pedindo para que Roux reservasse ingressos para os revendedores. Cerca de 10 mil ingressos foram reservados para o show de abertura porque os tíquetes oficiais estariam baratos demais.

A Live Nation, empresa responsável pelas vendas da banda, aceitou a proposta, que visou a aquisição de entradas que, em seguida, foram repassadas para intermediários e cambistas.

Assim, muitos fãs não conseguiram adquirir os ingressos e precisaram pagar mais para obter entrada para o show do Metallica.

Banda e representantes teriam lucrado com o esquema

Banda e representantes teriam lucrado com o esquema

Divulgação

Apesar de ter sido o único artista revelado, outros utilizaram do mesmo expediente. A revista Billboard informou que a Live Nation permitiu que artistas vendessem diretamente ingressos para shows em sites de revenda, como o Stuhbub.

A Live Nation disse à Billboard que cerca de uma dúzia de artistas pediram ingressos para vender nos mercados paralelos entre 2016 e 2017.
“Depois de ver o volume de transações secundárias para aquele show, o consultor independente DiCioccio trabalhou com a Live Nation em uma estratégia de distribuição única, que usava o mercado secundário como um canal de distribuição de vendas para bilhetes selecionados e de alta qualidade”, disse a Live Nation em um comunicado.

As partes supostamente fizeram um acordo com Metallica e a Live Nation, cada um recebendo 40% da receita de revenda, com os 20% restantes divididos entre DiCioccio e Millette.

No telefonema obtido pela Billboard, os executivos estavam discutindo maneiras de manter a parceria em segredo. Na teleconferência, eles discutem o registro de um endereço de e-mail para transferir tíquetes para que pareçam ser para patrocinadores, uma prática comum no mundo todo.

Mercado de revenda é altamente lucrativo no mundo

Mercado de revenda é altamente lucrativo no mundo

Divulgação

Apesar da manobra, Millette acabou perdendo dinheiro com o acordo. Mas, para compensar isso, ele não devolveu parte da receita, o que teria incomodado DiCioccio e o Metallica. Algum tempo depois, ele enviou por e-mail uma gravação da conversa, que vazou para a Billboard.

Os membros da banda afirmam que não sabiam que o consultor de ingressos contratado tomara essa decisão.

Bom negócio

O mercado global de ingressos secundários pode render US$ 15 bilhões em 2020, segundo a empresa de pesquisas Technavio.

Sendo assim, o grande impacto do artista vendendo ingresso com intermediários é enorme. Em vez de permitir que os cambistas ganhassem dinheiro ao comprarem bilhetes para revenda, os próprios artistas têm entrado no jogo para reter mais receitas.

Em um caso recente, a banda Bikini Kill vendeu ingressos para o show por cerca de US$ 40, mas logo depois os ingressos mais baratos no mercado atingiram até quatro vezes esse valor.

Bill Pascrell cria projeto contra especulação na venda

Bill Pascrell cria projeto contra especulação na venda

Divulgação

Esse é aparentemente um problema recorrente nos Estados Unidos e o caso chegou a ser discutido pelo congressista Democrata Bill Pascrell, que representa New Jersey. “Sem o conhecimento dos fãs, aparentemente a Ticketmaster e a Live Nation estavam trabalhando com a administração do Metallica para reter 88 mil ingressos e repassá-los diretamente em sites de revenda”, disse ele. “Isso é triste, mas é verdade”, concluiu, parafraseando Sad But True (Triste, Mas verdade), lançada pela banda em 1991.

Pascrell tem como uma das bandeiras do mandato o Boss Act, que tem como meta diminuir a especulação em torno da venda de ingressos e aumentar a transparência. Batizado em referência ao apelido de Bruce Springsteen, a medida surgiu há 12 anos, quando uma turnê do músico enfrentou problema semelhante. “A Lei Boss força a divulgação de quantos ingressos estão sendo vendidos, quantos estão sendo retidos e de onde vêm os ingressos. Isso também evitará que aqueles com conexões com artistas e locais revendam conscientemente ingressos a um preço elevado”, acredita.

Taylor Swift encontrou saída para driblar problema

Taylor Swift encontrou saída para driblar problema

Reprodução/Instagram

Taylor Swift: um exemplo a ser seguido?

Após Taylor Swift amargar prejuízios em uma turnê de 2015 e perder cerca de US$ 150 milhões, vendendo ingressos abaixo do valor de mercado, de acordo com uma análise do Financial Times, ela decidiu que não iria mais lutar contra a lei da oferta e demanda. Mas também não se renderia ao padrão do mercado.

Swift usou a plataforma Verified Fan da TicketMaster (também de propriedade da Live Nation), que usa dados on-line para garantir que as pessoas que compram ingressos sejam fãs reais. A plataforma rastreia se os compradores compraram ingressos ou mercadorias de Swift antes. Para aqueles que não são fãs verificados, os preços dos ingressos foram aumentados. O Financial Times estima que Swift fez um lucro adicional de US$ 1,4 milhão por show em turnê de 2018, como resultado das mudanças em relação às falhas de 2015.

*R7

Filme estrelado por David Bowie vai virar série de TV

O filme “O Homem que Caiu na Terra”, estrelado por David Bowie, vai virar série de TV, segundo noticiou o site IGN nessa quinta-feira. Conforme a publicação, o canal CBS está desenvolvendo uma série baseada na obra, escrita por Walter Tevis, publicada em 1963 e, consequentemente, inspirou o longa de Nicolas Roeg. 

A história fala sobre um alien sem gênero que chegou na Terra. Em um determinado momento da evolução humana, ele precisa confrontar o seu passado para decidir o futuro da população. 

“A série irá imaginar o próximo passo em nossa evolução, visto a partir dos olhos de um alien que tem de aprender o que é se tornar humano”, diz a sinopse. 

A série terá como roteiristas Jenny Lumet e Alex Kurtzman, que também serão showrunners. Kurtzman será o responsável pela direção de alguns episódios. 

Confira o trailer do filme de 1976:

*Correiodopovo

Armandinho refaz ‘Desenho de Deus’ e outros hits em álbum ao vivo que resume a caminhada do artista

Faz pouco ou nenhum sentido Armandinho lançar um álbum ao vivo intitulado Acústico. Afinal, o som deste cantor e compositor gaúcho sempre foi acústico pela própria natureza.

Seja como for, o álbum Armandinho acústico desembarca nas plataformas de músicas na próxima segunda-feira, 5 de agosto, com a gravação do show captado em 2017 no Teatro Bourbon, em Porto Alegre (RS), cidade natal deste artista que transita entre o reggae, o folk, a MPB e o rock de cepa pop.

É a primeira gravação ao vivo do cantor na cidade em que veio ao mundo em janeiro de 1970. No roteiro inteiramente autoral desse show, Armandinho refaz Desenho de Deus (Armandinho e Esdras Bedai, 2004) e outros hits, dando voz a 24 músicas em 23 números.

O repertório inclui música nova, o reggae Desses olhos (2019), parceria de Armandinho com o tecladista da banda do artista, Lucio Dorfman. Há no disco somente uma participação especial, a de Vitor Isensee, parceiro e convidado da música Eu sou do mar (2016).

Armandinho e Vitor Isensee cantam a parceria dos compositores, 'Eu sou do mar' — Foto: Edu Defferrari / Divulgação

Armandinho e Vitor Isensee cantam a parceria dos compositores, ‘Eu sou do mar’ — Foto: Edu Defferrari / Divulgação

Com produção musical de Paul Ralphes, o álbum Armandinho acústicoalinha músicas que, mesmo fora da ordem cronológica, contam trajetória iniciada há 18 anos quando, em 2001, uma fita com músicas do artista foi parar nas mãos do diretor de rádio gaúcha e, uma vez posta na programação da emissora, impulsionou o sucesso da canção Folha de bananeira, abrindo caminho para a gravação do primeiro álbum do cantor, Armandinho (2002), disco que vendeu bem no embalo de músicas como Sentimento (2002).

Um segundo álbum, Casinha (2004), ampliou o sucesso de Armandinho, que passou a ser conhecido em todo o território nacional. Mesmo que progressivamente tenha voltado a conduzir a carreira basicamente pelo sul do Brasil, com reflexos na vizinha Argentina, Armandinho vem pavimentando trajetória fonográfica regular com discografia que já contabiliza cinco álbuns de estúdio e três registros de shows, além de singles avulsos como o que apresentou há três anos a já mencionada música Eu sou do mar (2016).

É uma caminhada respeitável para um artista que compôs a primeira música aos 12 anos, Sexo na caranga, e que em 1994 teve passagem fugaz pela já extinta banda gaúcha de rock TNT.

Capa do álbum 'Armandinho acústico' — Foto: Edu Defferrari

Capa do álbum ‘Armandinho acústico’ — Foto: Edu Defferrari

Eis, na disposição de Armandinho acústico, as 24 músicas que compõem o repertório do oitavo álbum do cantor:

1. A ilha (Armandinho, 2013)

2. Rosa Norte (Armandinho, 2002)

3. Eu sou do mar (Armandinho e Vitor Isensee, 2016)

4. Reggae das tramanda (Armandinho, 2002)

5. Eu juro (Armandinho e Esdras Bedai, 2006)

6. Ursinho de dormir (Armandinho, 2002)

7. Pela cor do teu olho (Armandinho, 2002)

8. Pescador (Armandinho, 2004)

9. Casinha (Armandinho, 2004)

10. Desses olhos (Armandinho e Lucio Dorfman, 2019)

11. Lua cheia (Armandinho, 2006)

12. Onda do arraial (Armandinho e Dora Vergueiro, 2008)

13. Analua (Armandinho, Esdras Bedai, Luiz Kisiolar Ne, Sander Frois e Vini Marques, 2004)

14. Desenho de Deus (Armandinho e Esdras Bedai, 2004)

15. Leve leve (Armandinho, 2013)

16. Sol loiro (Armandinho, 2013)

17. Outra noite que se vai (Armandinho e Charles Master, 2002)

18. Outra vida (Armandinho, 2008)

19. Semente (Armandinho, Esdras Bedai e Régis Leal, 2008)

20. Paz e amor na quebrada (Armandinho e Régis Leal, 2005)

21. O que meu pai falou pra mim (Armandinho, 2013)

22. Starfix (Armandinho, 2004)

23. Casa do sol (Armandinho, 2004) /

Sentimento (Armandinho, 2002)

*G1