Simone e Simaria lançaram música nova, ‘Amoreco’,

Simone e Simaria lançaram nesta sexta-feira (7) a faixa Amoreco. Inédita, a canção é parte do repertório do novo DVD das sertanejas, Bar das Coleguinhas 2.

O videoclipe do single, também lançado nesta sexta, foi gravado na Villa Country, tradicional casa sertaneja de São Paulo. Segundo Simaria, “desde o primeiro momento que ouvimos a música, achamos incrível a letra e resolvemos gravar, na hora. No dia seguinte já comecei a produção musical, liguei para o produtor Borquez me ajudar e produzimos tudo por telefone. Falei para ele como eu gostaria e para incluir o Sax, que é super a cara do nosso novo projeto do Bar das Coleguinhas. O povo vai pirar e tomar cachaça até uns dias”.

Simone acredita que Amoreco tem “tudo a ver” com o DVD Bar das Coleguinhas 2 e com a nova fase da dupla sertaneja. “É uma música gostosa, dançante e que fala de amor”, diz. “Estava com saudades de fazer sofrência, que é mais a minha praia, a minha cara”, completa a cantora.

Assista ao clipe de Amoreco, nova música de trabalho de Simone e Simaria:

Música de Manu Gavassi volta às paradas após 10 anos de lançada

A passagem de Manu Gavassi pelo Big Brother Brasil 20 tem rendido ótimos frutos para a carreira musical da artista. Por exemplo, uma de suas canções voltou às paradas depois de 10 anos de lançada.

Em apenas uma semana dentro do BBB20, Manu fez com que o seu primeiro hit, Planos Impossíveis, lançado originalmente em 2010, se tornar uma das 30 músicas mais ouvidas do Brasil nos últimos dias.

A canção, que é uma das faixas do álbum de estreia da artista, tem aparecido na lista de As 50 Virais do Spotify. E pelo que tudo indica, esta pode não ser a única música que Manu pode emplacar nos próximos dias.

Com o andar da carruagem, o single Áudio de Desculpas, que teve seu clipe divulgado nesta terça-feira (28), já conta com mais de um milhão de visualizações no youtube. Um dos maiores números do EP Cute But (still) Psycho.

Manu Gavassi no Spotify (Reprodução)

*observatoriodatv.bol.uol.com.br

A letra censurada de Tim Maia, sem música, é outra lenda do ‘Síndico’

♪ MEMÓRIA – Na segunda-feira, 27 de janeiro, o músico Marlon Sette postou em rede social uma letra censurada de Tim Maia (1942 – 1998). A publicação reacendeu o debate sobre Anistia (Uma questão de amor), letra vetada em junho de 1978 pela censura vigente no Brasil dos anos 1970.

Revelado há alguns anos, quando vieram à tona documentos do Serviço de Censura de Diversões Públicas, o veto da letra de Tim é real e consta do Arquivo Nacional. Mas a música, nunca encontrada, pode ser irreal e, por isso mesmo, desconhecida.

Anistia (Uma questão de amor) gera mais uma conta para o rosário de pérolas do cantor e compositor carioca, tradutor da soul music norte-americana para o idioma musical do Brasil. A versão mais corrente é a de que Tim nunca fez a rigor uma música para essa letra, cujos versos destoam totalmente do estilo mais sucinto e informal do cancioneiro autoral do compositor.

É que, pressionado pelo executivo da WEA André Midani (1932 – 2019) para apresentar o repertório do álbum Tim Maia Disco Club, disco que marcou a estreia do artista na gravadora (através do selo Atlantic) com mix saboroso de funk e disco music, o Síndico teria escrito a toque de caixa a letra de Anistia (Uma questão de amor) com base em texto da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), instituição que tinha aderido à campanha pela Anistia ampla, geral e irrestrita, iniciada em 1975. A letra teria sido uma estratégia de Tim para se livrar da cobrança de Midani.

Parecer da censura sobre a música 'Anistia (Uma questão de amor)', de Tim Maia — Foto: Reprodução

Parecer da censura sobre a música ‘Anistia (Uma questão de amor)’, de Tim Maia — Foto: Reprodução

Se a música é uma lenda, o veto da letra de fato existiu. Mas não impediu o sucesso de Tim Maia Disco Club, álbum que reconduziu o cantor às paradas nacionais com sucessos como Sossego (música desde então incorporada aos roteiros dos shows de Tim), Acenda o farol e A fim de voltar (parceria de Tim com o soulman Hyldon).

O álbum Tim Maia Disco Club passou para a história como um dos melhores discos de Tim e Anistia, a suposta música, caiu no esquecimento. Até porque, se a melodia foi realmente feita (o que parece improvável), a letra logo ficou datada quando, em 28 de agosto de 1979, o então presidente do Brasil, João Figueiredo (1918 – 1999), sancionou a Lei de Anistia, sucumbindo às pressões da sociedade para reconduzir os exilados, livres, ao Brasil.

Ficam para a posteridade o veto e a lenda da “música” censurada de Tim Maia.

*G1

Ivete Sangalo renova o tempo de alegria com EP carnavalesco

Resenha de EP

Título: O mundo vai

Artista: Ivete Sangalo

Gravadora: Universal Music

Cotação: * * *

♪ Por mais que venha fazendo conexões com artistas de outros segmentos musicais nos últimos anos, como manda lei vigente na indústria da música pop, Ivete Sangalo é essencialmente uma boa cantora associada ao Carnaval.

Foi como vocalista da Banda Eva que a baiana Ivete despontou nacionalmente em 1993, despertando a atenção de ninguém menos do que Maria Bethânia pela voz quente e afinada.

O mundo vai – EP lançado por Ivete nesta sexta-feira, 24 de janeiro, com três músicas inéditas – reconecta a artista com essa origem carnavalesca. Produzido por Radamés Venâncio, o disco lega um clássico instantâneo para o repertório de shows dessa cantora que sempre brilhou mais no palco pelo carisma incendiário.

De pegada agalopada, a música-título O mundo vai (Ivete Sangalo, Gigi, Ramon Cruz, Samir Trindade, Radamés Venâncio e Tierry Coringa) é simplesmente irresistível como os melhores hits da época áurea da axé musicO mundo vai é aquela música feita para todo mundo “tirar o pé no chão” – como manda a cantora no shows que faz Brasil afora – e ir atrás do trio elétrico pulando que nem pipoca.

“Bota lá no grupo que o couro tá comendo”, canta Ivete em verso da letra dessa música que se conecta com tradições da axé music sem abrir mão de linguagem atual, mais coloquial e conectada com os tempos digitais.

É tempo de alegria industrializada na Bahia. No disco O mundo vai, Ivete acena para essa indústria e para as pipocas de Salvador (BA) e de outros cidades do Brasil com alta dose de romantismo pop.

Ciente de que nestes tempos às vezes mais importa um post do que um som para ficar bem na foto, a cantora divide com o youtuber piauiense Whindersson Nunes uma das duas músicas românticas do disco, Coisa linda, composição de autoria de Samir Trindade.

Nunes faz o papel de cantor sem constrangimento e sem fazer graça. E, justiça seja feita, dentro do contexto do disco, o humorista funciona tanto quanto Tom Kray, o outro convidado de Ivete. Cantor anteriormente conhecido como Tomate, Kray canta Não me olha assim com Ivete.

Essa composição de Luciano Luila, Ivan Lawinscky, Paulo Dutinni, Adenilson Peluso e Arthur Ramos poderia soar como tantas outras (triviais) canções de amor já gravadas por Ivete na carreira solo iniciada em 1999. No disco O mundo vai, a canção é ajustada ao tom carnavalizante do EP, sendo introduzida pelo toque de berimbau e embasada com baticum que remete à batida do samba-reggae.

Tanto Coisa linda como Não me olha assim deverão enternecer seguidores de Ivete, já habituados com a diluição pop do repertório da cantora. Para quem nem sempre vai atrás do trio elétrico desta verdadeira baiana, a grande música do EP é a faixa-título O mundo vai. Com ela, vai rolar novamente a festa de Ivete Sangalo.

*G1

Ximbinha fala sobre acusação de agressão: “muito alterada”

O Guitarrista Ximbinha decidiu se manifestar pela primeira vez após o ocorrido de acusação.

Para quem não se lembra a vocalista do seu projeto Cabaré do Brega, Carla Maués, contou ao amigo e empresário Wlad Costa, que Ximbinha havia batido nela. O empresário fez uma live em sua rede social contando toda a verdade sobre a agressão.

Agora, Ximbinha alega que acusação não procede e que Carla foi quem chegou “muito alterada”, no dia 11 de dezembro do ano passado.

O músico divulgou um vídeo em que comprova que a filha de Carla não presenciou a discussão – conforme foi dito anteriormente. Ele afirmou que quando percebeu que Carla estava “muito alterada”  imediatamente a informou que não precisaria gravar naquela situação.

Segundo ele, Carla “perdeu a cabeça” e começou a ofendê-lo e chegou a chutar a porta do estúdio.

Ximbinha também divulgou vídeo do cantor e compositor Edilson Moreno que comprova que filha de Carla Maués não presenciou qualquer discussão entre ela e Ximbinha. No vídeo, Edilson Moreno ressalta que assim que Carla chegou “alterada” ao estúdio de gravação pegou a criança e a levou para área externa do estúdio.

Assista ao vídeo e comente com a gente o que achou:

*Terra

Justin Bieber revela que contraiu Doença de Lyme

A estrela do pop Justin Bieber anunciou nessa quarta-feira que contraiu a Doença de Lyme. Em mensagem no Instagram, Bieber disse que abordará em um documentário no YouTube sua luta contra a doença, que é transmitida pela picada do carrapato. “Foram dois anos difíceis até obter o tratamento correto para esta doença (…), mas vou voltar, e melhor do que nunca”, escreveu o cantor. 

Bieber atacou os críticos que, segundo ele, comentaram sobre seu físico, de alguém que parecia “drogado com metanfetaminas”. “Não se deram conta de que recentemente fui diagnosticado com a Doença de Lyme, e não apenas isto: tive um grave caso de mononucleose crônica que afetou minha pele, função cerebral, energia e saúde no geral”. 

A foto da publicação de Bieber mostra um artigo do site TMZ que informa o lançamento do documentário no YouTube no dia 27 de janeiro. Segundo o TMZ, Bieber passou a maior parte de 2019 com a doença sem ser diagnosticada, até o médicos identificarem o problema. A publicação inclui imagens realizadas em setembro, nas quais Bieber parece receber um medicamento intravenoso. 

De acordo com o TMZ, Bieber está com um álbum novo e iniciará uma turnê em breve. Os sintomas da Doença de Lyme incluem febre, cansaço, dor de cabeça, dor nas articulações e erupções em forma de alvo. As pessoas tratadas com antibióticos geralmente se recuperam completamente, mas em alguns casos a infecção pode se agravar. 

Simone faz 70 anos com legado na MPB que a redime de alguns discos sem emoções reais

Nascida em 25 de dezembro de 1949, Simone Bittencourt de Oliveira chega aos 70 anos neste Natal de 2019 com ar jovial e com canto elegante, como atestado no recente show em que a artista deu voz ao cancioneiro do compositor carioca Ivan Lins.

Baiana da gema que se encontrou na cidade do Rio de Janeiro (RJ) a partir da década de 1970, Simone vem reforçando a conexão com o mundo virtual das redes sociais para entrar antenada na casa dos 70 anos.

Esse reforço talvez aguce a lembrança de que Simone tem um nome na história da MPB. A discografia que a cantora legou ao mundo da música entre 1973 e 1983 já lhe garante lugar nobre nessa história e a redime de alguns discos posteriores sem emoções reais.

De 1984 a 1989, a sedução do sucesso massivo conduziu Simone progressivamente por caminhos artísticos equivocados e, por isso, a cantora ainda paga preço muito alto entre os formadores de opinião por ter se rendido na ocasião às fórmulas do mercado da época.

Sim, a Cigarra completa 70 anos ainda às voltas com cobranças que já soam excessivas por erros já longínquos. Até porque, da década de 1990 em diante, Simone fez mais discos bons do que ruins, embora tenha seguido irregular nos palcos e estúdios. Baiana da gema – disco de 2004 com a presença e com músicas inéditas de Ivan Lins – é álbum relevante, por exemplo.

É fato que a cantora nunca mais adquiriu a densidade da fase fonográfica vivida na gravadora EMI-Odeon entre 1973 e 1980. Mas tampouco bisou os erros dos álbuns padronizados da segunda metade dos anos 1980, gravados na CBS para cumprir expectativas comerciais.

A exceção foi o álbum ao vivo Brasil – O show, lançado em 1997 com interpretações genéricas de sambas de várias épocas. Em contrapartida, o show e disco Sou eu (1992) recuperaram as emoções perdidas e se impuseram entre os melhores trabalhos da cantora.

Se o disco natalino 25 de dezembro (1995) gerou estigma ainda resistente, foi menos por conta do álbum em si – bonito, diga-se – e mais pelo marketing agressivo adotado pelo então presidente da gravadora PolyGram, Marcos Maynard, na promoção do projeto, concebido para dar a Simone o tão sonhado Disco de Diamante pelo milhão de cópias vendidas.

Dona de timbre singular, carismática, Simone continua cantando muito bem. Os tons já estão mais comedidos, mas nem por isso menos expressivos. Idolatrada por parcela do público fiel que herdou nos anos áureos, Simone precisa somente apresentar álbum à altura do (muito) que representa na história da MPB para ser aclamada como merece.

*G1

Marília Mendonça dá à luz seu primeiro filho

Marília Mendonça é mamãe. O primeiro filho da cantora sertaneja e do cantor e compositor Murilo Huff nasceu nesta segunda-feira (16), em Goiânia. A assessoria de imprensa da cantora confirmou a informação e replicou a declaração dos papais sobre o bebê: “Ele é lindo”.

Horas depois do nascimento, a cantora compartilhou uma foto em que Huff beija o filho e escreveu: “Seja bem-vindo, Leo”.

Marília estava na 38ª semana de gestação. A cantora anunciou que estava grávida em junho. Em julho, ela e Murilo fizeram um chá revelação para descobrir o sexo do bebê. No mesmo dia, anunciaram o nome do filho: Léo.

Nas redes sociais, durante a gestação, a cantora divulgou a música que compôs para o primeiro.

No início de dezembro, a cantora anunciou que faria uma pausa na carreira para se dedicar à família.

No texto em que fala da pausa de sua carreira, ela diz estar no auge “do meu amor, o auge da minha vida, o auge da minha felicidade, o auge do meu crescimento como mulher, o auge do meu amadurecimento”.

Marília ficará três meses longe dos palcos, já tendo data de retorno após o nascimento de Léo. As primeiras apresentações acontecem em 6 e 7 de março de 2020, no Espaço das Américas, em São Paulo. Dias depois, a cantora embarca para uma turnê europeia.

Uma das fotos que Murilo Huff postou no dia do aniversário de Marília Mendonça — Foto: Reprodução/Instagram/MuriloHuff

Uma das fotos que Murilo Huff postou no dia do aniversário de Marília Mendonça — Foto: Reprodução/Instagram/MuriloHuff

*G1


Maiara e Maraisa improvisam show em saguão de aeroporto

Maiara e Maraisa improvisaram um show no saguão de embarque do aeroporto internacional Afonso Pena, em Curitiba, após se apresentarem em Carambeí. As cantoras que deram nomes a filhotes de bezerros soltaram a voz e mostraram alguns de seus sucessos enquanto aguardavam a hora do embarque. Maraisa ainda pegou o violão para o show intimista, cuja playlist incluiu “Aí eu Bebo”, “10%” e “Medo Bobo”. Os demais passageiros não perderam a oportunidade de acompanharem as irmãs cantoras e registraram o momento. “Sextou”, legendou a cunhada de Fernando Zor, compartilhando em sua conta de Instagram Stories.

O responsável pela filmagem postada por Maraisa se surpreendeu com a quantidade de pessoas atraídas pelo show: “Está aumentando o nosso público!”. “Já que estamos esperando o voo, vamos fazer uma trollada”, brincou Maiara. Entre uma música e outra, as irmãs fizeram fotos e selfies com os fãs. “E aquele showzinho particular às 5h30 da manhã como fica?”, perguntou, bem-humorado um admirador.

Maraisa entrega defeito nas redes

Recentemente, em sua conta de rede social, a irmã de Maiara admitiu pontos negativos na sua personalidade. “Erro muito, mas também sei ser verdadeira ao mesmo tempo. Para falar a verdade, nem eu mesma sei me decifrar e te contar quais são os meus gostos!! Tem dias que eu gosto de doce outros de salgado; de filme, outros de balada (…) Sou brava também e detesto ver injustiça na minha frente, mas também saio da linha, ando do lado oposto, sei ferir as pessoas (…) Engulo o choro, mas quando você me ver chorar, vai ser uma só vez, e se prepara para cachoeira, viu?”, frisou. Solteira desde o fim do namoro com Wendell Vieira, a sertaneja ganhou torcida dos fãs para encontrar um novo amor e indicou algumas características positivas que possui.

Grávida, Marília Mendonça ganhou apoio de Maraisa ao pausar carreira

A “Rainha da Sofrência” já deu uma pausa na carreira para dar à luz Leo, fruto do seu namoro com Murilo Huff. Após se despedir, temporariamente, dos palcos, Marília Mendonça ganhou apoio do namorado e da colega de profissão. “Sua luz sempre brilhou incessante mas hoje… Ahh hoje ela brilha infinitamente mais… E um brilho diferente! Que você continue sendo abençoada como sempre foi!. Que Nossa Senhora te ilumine lhe dando uma boa hora e que Léo chegue para coroar todo esse momento tão especial na sua vida! Deus te abençoe muito minha irmã, você e toda sua família!”, desejou.

*TERRA

Morre a vocalista do Roxette, aos 61 anos vítima de câncer

A cantora Marie Fredriksson, vocalista icônica do Roxette, morreu nesta segunda-feira (9), aos 61 anos. A estrela pop sueca, cujo hit mais memorável foi It Must Have Been Love, lutava há 17 anos contra um câncer no cérebro.

Segundo o jornal sueco The Express a família de Marie informou o falecimento da cantora por meio de uma nota oficial:

“O marido de Marie Fredriksson, Mikael Bolyos, e seus dois filhos, [Inez Josefin e Oscar, de 26 e 23 anos] lamentam sua morte. É com muita tristeza que temos que anunciar que uma das nossas maiores e mais queridas artistas se foi. Marie Fredriksson morreu na manhã de 9 de dezembro vítima de sua doença”, anunciou. 

A família ainda acrescentou que a cantora será enterrada em silêncio, apenas com a família mais próxima presente. 

Em 2002, Marie entrou em colapso e sofreu uma convulsão enquanto fazia jogging com o marido e um tumor cerebral foi mais tarde detectado. Ela chegou a fazer uma cirurgia para retirar o nódulo, posteriomente fez alguns meses de quiomioterapia e radiação.

Per Gessie, sua dupla na banda, fez um post emocionante no Twitter lamentando a morte da parceira e trocou sua a foto da rede social para homenagea-la:

“O tempo passa tão rapidamente. Não faz muito tempo que passamos dias e noites em meu pequeno apartamento compartilhando sonhos impossíveis. E que sonho acabamos compartilhando! Tenho a honra de conhecer seu talento e generosidade. Todo o meu amor vai para você e sua família. As coisas nunca serão as mesmas”, escreveu ele.

Saindo de cena

Ao ser diagnosticada com a doença no começo dos anos 2000, a cantora se afastou dos palcos e se dedicou apenas a alguns shows específicos, como o casamento das princesas suecas Victoria, em 2010, e Madeleine, em 2013.

Mais tarde, em 2016, se reuniu com Gessie para uma turnê com o Roxette, mas teve de desistir devido ao problema de saúde.

Em 1984, Marie começou sua carreira solo com o disco Het Vind e, dois anos depois, se uniu ao companheiro para formar o Roxette. A dupla alcançou o sucesso mundial entre o o fim dos anos 1980 até meados da década de 1990, período em que tiveram dezenove singles no top 40 do UK Singles Chart e quatro singles em primeiro lugar das paradas nos Estados Unidos: The LookListen to Your HeartIt Must Have Been Love e Joyride.

O Roxette já se apresentou quatro vezes no Brasil,  em 1992, 1995, 1999 e, mais recentemente, em 2011, quando fizeram uma pequena turnê pelas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Belo Horizonte.

Veja alguns dos clipes mais icônicos da banda:

*revistamarieclaire