Neil Peart, lendário baterista do Rush, morre aos 67 anos

Neil Peart, baterista e compositor da banda Rush, morreu aos 67 anos em Santa Monica, nos EUA. Ele lutava contra um câncer no cérebro há três anos.

Neil era um dos bateristas mais respeitados da história do rock, com estilo virtuoso que era referência.

“É com os corações partidos e profunda tristeza que temos que compartilhar a terrível notícia que nosso amigo, irmão de alma e companheiro de banda por 45 anos, Neil, perdeu sua incrível batalha de três anos e meio contra o câncer de cérebro”, diz comunicado oficial da banda.

Neil nasceu em 12 de setembro de 1952, em Ontario, no Canadá, e aos 13 anos começou a estudar bateria. Logo depois, se mudou para Londres e só voltou a morar no país de origem em 1972.

Ele entrou para a banda Rush, formada pelo guitarrista Alex Lifeson, em 1974, mesmo ano em que entrou o baixista e vocalista Geddy Lee.

Com a entrada de Neil, o Rush se tornou um dos trios mais reconhecidos do rock, que encerrou as atividades em 2018.

*tribunadejundiai

Veja aqui, materia emocionante da Globo

Ozzy Osbourne lança música com participação de Elton John

Ozzy Osbourne lançou a faixa “Ordinary Man”, nesta sexta-feira. A música, que dá nome ao seu novo, álbum tem participação de Elton John.

Em suas redes sociais, o músico britânico, que foi vocalista da formação clássica da banda Black Sabbath, declarou que está “muito empolgado em anunciar” a chegada do novo trabalho.

Recentemente, Kelly Osbourne, filha de Ozzy, negou os boatos de que o pai estaria em seu “leito de morte”. Em uma publicação nos stories do Instagram, a cantora disse que passou o primeiro dia de 2020 junto com o pai. 

“Ordinary Man”, que já está em pré-venda, é o primeiro lançamento de Ozzy em quase 10 anos, e contará com a participação do baixista Duff McKagan (Guns N’ Roses”), o baterista Chad Smith (Red Hot Chili Peppers) e o produtor Andrew Watt na guitarra.

Ozzy contou que este é possivelmente o álbum mais importante que eu já fez há muito tempo. O seu último disco “Scream”, foi lançado em 2010. 

Filha de Ozzy Osbourne nega que pai esteja em “leito de morte”

Kelly Osbourne, filha do cantor Ozzy Osbourne, usou as redes sociais para negar boatos de que o pai estaria em seu “leito de morte” nesta quinta-feira. Na publicação a cantora disse que passou o primeiro dia de 2020 junto com o pai. Os rumores de que Ozzy Osbourne estaria internado e ‘à beira da morte’ circularam na última quarta-feira. 

Ao longo do ano de 2019 o cantor teve diversos problemas de saúde, que levaram ao adiamento de sua turnê solo pela Europa. O cantor teve uma pneumonia e passou por diversas cirurgias na coluna e no pescoço após uma queda. 

Osbourne também teve uma gripe e infecções na mão. “Não é segredo de que meu pai teve um ano difícil em relação à sua saúde, mas isso [as notícias sobre a possível morte de Osbourne] é bobagem”, disse Kelly em seu post stories do Instagram nessa quarta-feira. O próprio perfil de Ozzy brincou com os boatos, publicando em seu Twitter uma de suas músicas, intitulada Alive, ou “Vivo”, em português. 

Em outubro de 2019, quando adiou a turnê, Osbourne publicou um vídeo em que falou sobre seu estado de saúde. “Não estou morrendo, estou me recuperando, só está demorando mais do que tudo mundo esperou. Eu estou entediado de ficar numa cama o dia todo. Mal posso esperar para me recuperar e continuar o que estava fazendo”. 

*Correiodopovo

Zé Ramalho lança versão brasileira de Ace of Spades do Motörhead e Mr. Crowley do Ozzy Osbourne

Na última quinta, 12, Zé Ramalho lançou a versão brasileira da icônica músixa “Ace of Spades” do Motörhead. Intitulada de “Ás de Espadas” faz parte do novo projeto Metalmania com o guitarrista brasileiro Robertinho do Recife, que terá regravações de clássicos do heavy metal em português. 

No início do ano, a lenda do MPB lançou a versão de “Mr. Crowley“, sucesso nos anos 1980 de Ozzy Osbourne.

Ouça abaixo “Ás de Espadas”:

Clássico de Ozzy é regravado por Zé Ramalho e Robertinho de Recife

Zé Ramalho não é novato em flertar com o metal. Em 2013, fez uma apresentação icônica no Rock in Rio ao lado do Sepultura, tocando “Dança das Borboletas”. Agora, resolveu dar mais uma chance ao estilo e, de quebra, homenagear Ozzy Osbourne.

Na sexta, 26, o artista lançou um cover de “Mr. Crowley”, faixa do disco Blizzard of Ozz, de 1980. Mas, enquanto Ozzy homenageava o ocultista Aleister Crowley, Ramalho falou sobre o próprio príncipe das trevas e deu o nome de “Sr. Ozzy” à canção.

A faixa foi gravada em parceria com Robertinho de Recife. O guitarrista já trabalhou em todo tipo de música: country, blues, música infantil, e também metal; chegou a ter uma banda do estilo, MetalMania, durante os anos 1980.

A letra foi alterada para, além de alusões à música original, falar mais sobre Ozzy. “Seu estilo de vida é tão louco, seu tempo de vida é tão pouco, vai levar tudo além do além” e “Sr. Ozzy, anjo da asa vermelha” são alguns dos trechos cantados.

O resultado foi uma mistura de estilos peculiar e harmonizada. A faixa tem notas de guitarras pesadas parecidas com as originais, e elementos clássicos da música nordestina brasileira.

Ouça “Sr. Ozzy” aqui:

*rollingstone

Skank lança música inédita gravada com Roberta Campos

Um dia após o Skank ter anunciado pausa na carreira por tempo indeterminado, a banda mineira entrou em estúdio de Belo Horizonte (MG) em 4 de novembro para começar a registrar material inédito.

As gravações desse repertório novo se estenderam por alguns dias do mês de novembro. Pelo menos duas músicas inéditas foram gravadas por Samuel Rosa (voz e guitarra), Lelo Zaneti (baixo), Henrique Portugal (teclados) e Haroldo Ferretti (bateria). Uma delas será mostrada pelo quarteto na segunda quinzena deste mês de dezembro de 2019.

Na gravação dessa música, de título ainda não revelado, o Skank tem como convidada a cantora mineira Roberta Campos, projetada nos anos 2000 com cancioneiro de tom pop folk.

As músicas inéditas gravadas pelo Skank são aperitivos para a turnê 30 anos, idealizada com show retrospectivo para marcar a despedida da banda, ainda que, antes mesmo de o grupo entrar em recesso ao término da turnê programada para 2020, os músicos descartem a ideia de um fim definitivo do grupo.

*G1

Morre a vocalista do Roxette, aos 61 anos vítima de câncer

A cantora Marie Fredriksson, vocalista icônica do Roxette, morreu nesta segunda-feira (9), aos 61 anos. A estrela pop sueca, cujo hit mais memorável foi It Must Have Been Love, lutava há 17 anos contra um câncer no cérebro.

Segundo o jornal sueco The Express a família de Marie informou o falecimento da cantora por meio de uma nota oficial:

“O marido de Marie Fredriksson, Mikael Bolyos, e seus dois filhos, [Inez Josefin e Oscar, de 26 e 23 anos] lamentam sua morte. É com muita tristeza que temos que anunciar que uma das nossas maiores e mais queridas artistas se foi. Marie Fredriksson morreu na manhã de 9 de dezembro vítima de sua doença”, anunciou. 

A família ainda acrescentou que a cantora será enterrada em silêncio, apenas com a família mais próxima presente. 

Em 2002, Marie entrou em colapso e sofreu uma convulsão enquanto fazia jogging com o marido e um tumor cerebral foi mais tarde detectado. Ela chegou a fazer uma cirurgia para retirar o nódulo, posteriomente fez alguns meses de quiomioterapia e radiação.

Per Gessie, sua dupla na banda, fez um post emocionante no Twitter lamentando a morte da parceira e trocou sua a foto da rede social para homenagea-la:

“O tempo passa tão rapidamente. Não faz muito tempo que passamos dias e noites em meu pequeno apartamento compartilhando sonhos impossíveis. E que sonho acabamos compartilhando! Tenho a honra de conhecer seu talento e generosidade. Todo o meu amor vai para você e sua família. As coisas nunca serão as mesmas”, escreveu ele.

Saindo de cena

Ao ser diagnosticada com a doença no começo dos anos 2000, a cantora se afastou dos palcos e se dedicou apenas a alguns shows específicos, como o casamento das princesas suecas Victoria, em 2010, e Madeleine, em 2013.

Mais tarde, em 2016, se reuniu com Gessie para uma turnê com o Roxette, mas teve de desistir devido ao problema de saúde.

Em 1984, Marie começou sua carreira solo com o disco Het Vind e, dois anos depois, se uniu ao companheiro para formar o Roxette. A dupla alcançou o sucesso mundial entre o o fim dos anos 1980 até meados da década de 1990, período em que tiveram dezenove singles no top 40 do UK Singles Chart e quatro singles em primeiro lugar das paradas nos Estados Unidos: The LookListen to Your HeartIt Must Have Been Love e Joyride.

O Roxette já se apresentou quatro vezes no Brasil,  em 1992, 1995, 1999 e, mais recentemente, em 2011, quando fizeram uma pequena turnê pelas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Belo Horizonte.

Veja alguns dos clipes mais icônicos da banda:

*revistamarieclaire

Banda gaúcha Acústicos & Valvulados tenta a sorte com primeira música inédita em cinco anos

Em cena desde 1991, tendo sempre mantida hasteada a bandeira do rock de Porto Alegre (RS) ao longo dos 28 anos de vida, a banda gaúcha Acústicos & Valvulados apresenta a primeira música inédita em cinco anos.

A composição se chama Minha sorte vai brilhar, tem letra escrita pelo guitarrista Daniel Mossmann com o baterista Paulo James e sai em single programado para a próxima sexta-feira, 13 de dezembro, pelo selo Loop Discos. Bibiana Petek assina a produção musical do single.

O grupo Acústicos & Valvulados estava sem apresentar repertório novo desde 2014, ano em que lançou o álbum de músicas inéditas Meio doido e vagabundo – O fino do rock mendigo.

Mesmo sem novidades, o quinteto continuou na estrada ao longo desses cinco anos, cumprindo movimentada agenda de shows. Além de Daniel Mossmann e Paulo James, a banda é integrada atualmente por Rafael Malenotti (voz), Alexandre Móica (guitarra e vocal) e Diego Lopes (baixo e vocal).

*G1

Empresa cobra por shows que Chorão não fez por ter morrido

Nove meses após a morte do vocalista Chorão, da banda Charlie Brown Jr., uma notificação extrajudicial chegou às mãos do seu único filho, o fotógrafo Alexandre Ferreira Lima Abrão. Em um documento de duas páginas, a empresa Promocom Eventos e Publicidade cobrava-lhe uma indenização por nove shows que o músico, que morreu em março de 2013,  deixou de realizar.

“Faleceu sem atender à totalidade das obrigações assumidas”, afirmava o texto, ressaltando que “notoriamente, tais obrigações não poderão [mais] ser atendidas”.

Diante do silêncio de Alexandre, a notificação se transformou em uma ação de cobrança que ainda hoje tramita na Justiça paulista. A empresa, sediada no Paraná, exige R$ 225 mil de indenização, além de uma multa de R$ 100 mil por descumprimento de contrato (valores nominais, sem correção da inflação).

— Com a morte do Chorão, o capital investido deixou de fazer o lucro esperado — afirma o advogado Rodrigo Ramina de Lucca, que representa a empresa e reclama também a restituição de outros R$ 225 mil que teriam sido pagos ao músico a título de adiantamento.

De acordo com o advogado, o contrato com a banda previa a realização de 12 shows do Charlie Brown Jr., mas apenas três foram executados.

— Ao investir consideravelmente na contratação da banda, a empresa deixou de contratar outro artista, o qual poderia ter-lhe proporcionado a receita inerente à sua atividade — argumentou no processo.

Reginaldo Ferreira Lima, advogado e avô materno do filho de Chorão, diz que o pedido de indenização é uma “loucura”. 

— Naturalmente, o Chorão não tinha como fazer os shows, ele morreu… — disse Lima.

Em petição apresentada à Justiça, o advogado sustenta que uma indenização deve decorrer de um dano causado por ato ilícito e voluntário. 

— É óbvio que não há como imputar qualquer ato ilícito a ele — concluiu.

No processo aberto pela Promocom Eventos, o único herdeiro de Chorão, hoje com 29 anos, questiona não apenas o pedido de indenização e da multa, mas a própria necessidade de ressarcimento pelos valores supostamente adiantados ao vocalista.

Zanone Fraissat / Folhapress
Xande, único filho de ChorãoZanone Fraissat / Folhapress

Xande, como é conhecido, coloca em dúvida a autenticidade do contrato, datado de 23 de outubro de 2012, que previa exclusividade para a empresa na realização ou na vendas de shows da banda ao longo de 2013 no Paraná e nas cidades catarinenses de Florianópolis, Joinville e Balneário Camboriú, que recebeu a última apresentação do grupo.

— Não tem qualquer semelhança com a assinatura real do falecido — diz em documento encaminhado à Justiça, no qual declara ainda não haver prova de que o pagamento alegado foi realizado, de fato.

A Promocom Eventos afirma que a acusação de falsidade contratual é despropositada e foi feita pelo filho do líder da banda apenas para que pudesse ganhar tempo.

— Todos os pagamentos foram documentalmente provados — diz o advogado da empresa, que anexou ao processo uma declaração da empresária Samantha Pereira de Jesus afirmando que intermediou o contrato com Chorão e que os adiantamentos ao vocalista foram pagos.

O juiz Cláudio Teixeira Villa, da 2ª Vara Civil de Santos, deu ganho de causa à empresa, ordenando ao espólio do músico o pagamento de R$ 325 mil, considerando a restituição dos valores e a multa. Não concordou, contudo, com a indenização.

 — Do contrário, haveria enriquecimento sem causa da parte autora, que, mesmo sem remunerar o artista, receberia pelo lucro de futura e eventual venda — afirmou o magistrado.

A decisão, no entanto, foi anulada pelo Tribunal de Justiça, que considerou que a Promocom não conseguiu demonstrar ter feito o adiantamento ao vocalista.

— Há de se convir que a empresa não trouxe qualquer recibo de pagamento, comprovando haver repassado os valores cobrados nesta ação ao artista — afirmou o relator do processo, Cláudio Hamilton.

Por determinação dos desembargadores, um laudo pericial será realizado para apurar se a letra no contrato é realmente a do vocalista. A assinatura será comparada com a de seu passaporte.

Alexandre Magno Abrão, mais conhecido como Chorão, tinha 42 anos quando foi encontrado morto em seu apartamento, em Pinheiros, na cidade de São Paulo, em março de 2013. Exames detectaram que a morte do cantor ocorreu em decorrência de uma overdose de cocaína, como a acusação fez questão de salientar em um dos documentos anexados ao processo.

O laudo necroscópico do Instituto Médico Legal (IML) afirma que foram encontradas no corpo do músico 4,714 microgramas de cocaína por mililitro de sangue.

Skatista profissional na categoria freestyle nos anos 1980, Chorão fundou o Charlie Brown Jr. em 1992, tendo ao longo da carreira lançado nove discos de estúdio, dois álbuns ao vivo e mais duas coletâneas.

*Zerohora

Paulo Ricardo comemora 35 anos do álbum “Rádio Pirata Ao Vivo” com show em Porto Alegre

Para comemorar os 35 anos de um dos discos mais importantes da música brasileira, Paulo Ricardo chega em Porto Alegre nesta sexta-feira para o show do álbum “Rádio Pirata Ao Vivo”, às 20h, no Opinião (rua José do Patrocínio, 834).

O cantor promete uma apresentação para viajar no tempo. “Para quem viu o espetáculo em sua primeira edição, vai ser uma verdadeira máquina do tempo e para quem não viu, vai entender o porquê desta ter sido a turnê mais bem sucedida da história: o ponto alto daquela explosão do rock brasileiro que vivemos nos anos 80, tanto do ponto de vista musical quanto cênico”, contou em entrevista ao Correio do Povo

O álbum, que bateu os recordes ao atingir a marca de 3 milhões de cópias vendidas, vai ser levado ao palco com os sucessos “Revoluções por Minuto”, “Alvorada Voraz”, “A Cruz a Espada” e “Olhar 43”. A última música, inclusive, é um dos maiores orgulhos de Paulo como compositor. “Essa é a grande ambição de todo compositor: vencer o teste do tempo. É uma emoção que se renova a cada apresentação. Claro que cada canção é como um filho e a gente deseja todo o sucesso do mundo para cada uma delas, mas este encontro do público com o grande hit é incomparável.”

E reviver o mesmo roteiro do show “Rádio Pirata Ao Vivo” de 1985 tem sido mágico para Paulo Ricardo, segundo ele. “Algumas canções eu não tocava há muito tempo e elas têm o poder de trazer de volta aquele período de uma forma muito impactante. A gente percebe que o conceito está ali, intacto, e para mim é fascinante reencontrar o garoto que eu era quando escrevi essas canções”, declarou. “As pessoas vibram de uma forma diferente.”

Com uma carreira de longa data, Paulo garante que se mantém atualizado quanto as novidades da música e que se inspira com elas: “Não sou saudosista e ouço de tudo, gosto de saber o que está fazendo sucesso. Gosto muito do trabalho do Zeeba, que estourou com ‘Hear Me Now’ e está no meu DVD ‘Sex On The Beach’, e tenho ouvido o último CD da Lana del Rey, ‘Norman Fucking Rockwell’, um delicado trabalho com belos clipes”, revelou. 

Ingressos 

Os ingressos estão à venda no site Sympla e nas lojas Verse no Centro Historico (rua dos Andradas, 1444, Galeria Chaves) e no Shopping Lindoia. 

Os bilhetes também estão disponíveis nas lojas Planet Surg nos shoppings Iguatemi, Praia de Belas, Bourbon Wallig, Barra Shopping Sul e Bourbon Ipiranga. 

Os valores são R$ 140 (inteiro), R$ 70 (estudantes e idosos) e R$ 75 (solidário mediante a doação de 1kg de alimento não perecível).

*Correiodopovo

MÚSICA – Banda Kiss volta a Porto Alegre para tocar na Arena do Grêmio

Um dos grande nomes da história do rock, a banda norte-americana Kiss volta ao Brasil em maio de 2020 para apresentar a  End of The Road Tour, sua anunciada turnê de despedida. Entre os seis shows agendados no país, está o do dia 12 de maio, no Anfiteatro Arena do Grêmio. Depois, o Kiss segue para Curitiba (14), São Paulo (16), Ribeirão Preto (17), Uberlândia (19) e Brasília (21). A venda de ingressos começa no dia 20 de novembro para fãs e no dia 21 para o público em geral. Sócios do Clube do Assinante têm descontos.

 Será a terceira apresentação do Kiss em Porto Alegre, por onde passou em 1999 e 2012.  A perna brasileira da turnê mundial havia sido anunciada no começo do mês,  durante o Kiss Kruise, cruzeiro que a banda fez com seus fãs de Miami até a Jamaica.

O Kiss anunciou seu fim no ano passado depois de uma apresentação no programa America’s Got Talent. Na ocasião, o guitarrista e vocalista Paul Stanley disse:

– Esta será nossa última turnê. Serão os shows mais explosivos e grandiosos que já fizemos. Para aqueles que nos amam, venham nos ver. Caso você nunca tenha nos visto ao vivo, agora é a hora. Este será o show.

Além de Stanley, a formação atual do Kiss conta com Gene Simmons (baixo e voz), Eric Singer (baterista) e Tommy Thayer (guitarra). O grupo foi formado em 1973 em Nova York e chegou a anunciar seu fim em 2000, mas retomou as atividades dois anos depois. 

Kiss —   End of The Road Tour
Anfiteatro Arena do Grêmio (Av. Padre Leopoldo Brentano, 110 – Humaitá, Porto Alegre)
Dia 12 de maio de 2020 (terça-feira), às 21h
Pré-venda para fã-clube: 20 de novembro, às 20h
Venda online para o público geral: 21 de novembro,  às 20h, em  uhuu.com  (com taxa)
Venda em ponto físico para o público geral : 22 de novembro, a partir das 10h, na Hits Store (Shopping Praia de Belas – 2° andar), de segunda a sábado, das 10 às 22h e domingo das 14h às 20h (sem taxa).  Bilheteria do Teatro do Bourbon Country (Av. Túlio de Rose,  80 / 2º andar), de segunda a sábado, das 10h às 22h, e domingo e feriado, das 14h às 20h (com taxa).

CADEIRA SUPERIOR

1º Lote
Meia-entrada: R$ 170 l Ingresso Solidário: R$204
2º Lote
Meia-entrada: R$ 195 l Ingresso Solidário: R$234
3º Lote
Meia-entrada: R$ 220 l Ingresso Solidário: R$264

CADEIRA GOLD
1º Lote
Meia-entrada: R$ 240 l Ingresso Solidário: R$288
2º Lote
Meia-entrada: R$ 265 l Ingresso Solidário: R$318

CADEIRA GRAMADO
1º Lote
Meia-entrada: R$ 310 l Ingresso Solidário: R$372
2º Lote
Meia-entrada: R$ 350 l Ingresso Solidário: R$420
3º Lote
Meia-entrada: R$ 390 l Ingresso Solidário: R$468

PISTA PREMIUM
1º Lote
Meia-entrada: R$ 360 l Ingresso Solidário: R$432
2º Lote
Meia-entrada: R$ 400 l Ingresso Solidário: R$480
3º Lote
Meia-entrada: R$ 440 l Ingresso Solidário: R$528
4º Lote Meia-entrada: R$ 480 l Ingresso Solidário: R$576

Valores inteiros:  Cadeira Superior: 1º lote R$340; 2º lote R$390; 3º lote R$440. Cadeira Gold: 1º lote R$480; 2º lote R$530. Cadeira Gramado: 1º lote R$620; 2º lote R$700; 3º lote R$780. Pista Premium: 1º lote R$720; 2º lote R$800; 3º lote R$880; 4º lote R$960

50% de desconto na pré-venda dos fã clubes Kiss Army e Kiss Kruise

Clube do Assinante: 50% de desconto. Válido para sócios do Clube do Assinante RBS. Limitado a 200 ingressos. Vendas na bilheteria e pela internet. 40% de desconto para os demais ingressos. Vendas na bilheteria e pela internet.

Ingresso Solidário: 40% de desconto. Válido para todos os setores e disponível para todo o público para compras realizadas na bilheteria e no ponto físico. Para validação do desconto, é necessário a entrega de 1kg de alimento não perecível na entrada do evento.

*Zerohora