Chitãozinho e Xororó comemoram 50 anos de carreira em 2020 com novo CD, livro e até quadrinhos

Do primeiro “galopeira” em 1970 até serem ovacionados em arenas de todo o país quando entoam o hit elevado a hino nacional “Evidências”. Reconhecida como o maior nome da história da música sertaneja, a dupla Chitãozinho e Xororó sobe em 2020 o 50º degrau da carreira e atinge uma marca alcançada por poucos artistas no Brasil. Para celebrar os 50 anos de música, os cantores preparam um pacote de comemorações que inclui um novo álbum e o lançamento de produtos inéditos sobre os músicos: revista, livros e até uma história em quadrinhos.

Em entrevista, Chitãozinho comentou pela primeira vez sobre o que a dupla pretende para a comemoração dos 50 anos de carreira. Sem adiantar os detalhes, que serão explicados em uma coletiva de imprensa ainda sem data para acontecer, o cantor afirmou que ele e o irmão Xororó vão esperar ter um descanso da rotina de shows para fazer as reuniões que vão fechar o cronograma das festividades.

“Tem muitas coisas que a gente está planejando para lançar. Tem gravação, disco novo, revistas, livros, uma série de coisas. Também teremos histórias em quadrinhos. Os fãs terão bastante material para aproveitar. O nosso próximo assunto das reuniões será o planejamento dos 50 anos”, revelou.

A comemoração ainda vai contar com uma nova turnê com arranjos e instrumentos diferentes. “A gente está pensando em montar um novo show, que vai ser complementar a nossa agenda normal, com arranjos diferentes, com cordas, metais, orquestra maior, será uma coisa mais classuda”, explicou.

Chitãozinho, da dupla com Xororó, canta no palco Arena em show Amigos em Barretos 2019 — Foto: Érico Andrade / G1

Chitãozinho, da dupla com Xororó, canta no palco Arena em show Amigos em Barretos 2019 — Foto: Érico Andrade / G1

Quatro tipos diferentes de show

A comemoração dos 50 anos de carreira segue a tradição escrita pela dupla em 2010, quando os irmãos comemoraram quatro décadas de sucesso e lançaram três álbuns especiais: um com a nova geração do sertanejo, outro com artistas contemporâneos do gênero e o último ao lado da Orquestra Bachiana Filarmônica, com participações de cantores de outros estilos da música brasileira.

Paranaenses de Astorga e moradores de Campinas (SP) desde a década de 1980, Chitãozinho e Xororó são alguns dos recordistas de vendas de álbuns no Brasil, com 37 milhões de cópias vendidas. A dupla ainda tem no currículo quatro Grammys Latinos, além de diversos discos de ouro, diamante e platina. Os artistas foram os responsáveis por abrir as portas das rádios FM para o sertanejo.

Atualmente, os sertanejos têm quatro formatos diferentes de shows. Além da turnê “Evidências”, a tradicional apresentação da dupla e que desembarca no Rodeio de Jaguariúna nesta sexta-feira (13), eles estão na estrada com o “Clássico”, ao lado de Bruno e Marrone; o “In Concert”, com o pianista e maestro João Carlos Martins; e o mais novo projeto, que emocionou todos os fãs do gênero em um resgate aos anos 1990: a turnê “Amigos 20 anos – a história continua”, com Zezé di Camargo & Luciano e Leonardo.

“Nós estamos atravessando uma fase muito impressionante, trabalhando muito e prestando muita atenção, porque são repertórios diferentes. Acho que só com a experiência que a gente adquiriu com todos esses anos de carreira que nos faz conseguir levar os quatro shows numa boa”, afirmou Chitãozinho.

Xororó, da dupla com Chitãozinho, agita o público em show Amigos em Barretos 2019 — Foto: Érico Andrade / G1

Xororó, da dupla com Chitãozinho, agita o público em show Amigos em Barretos 2019 — Foto: Érico Andrade / G1

Até onde vai o ‘Amigos’?

O quinteto, que, ao lado de Leandro – morto vítima de um câncer em 1998 -, marcou para sempre a história da música sertaneja com quatro especiais na TV Globo de 1995 a 1998, retornou aos palcos em julho deste ano para realizar pela primeira vez uma turnê juntos pelo Brasil. Em 2019, os artistas ainda vão se apresentar em Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ) e Fortaleza, e já estão fechando o cronograma de shows para 2020, com o encerramento em São Paulo (SP), no dia 8 de agosto.

“Vai ser o ano todo que estaremos viajando, uma sequência para o ano que vem, porque o Brasil é muito grande, são muitas cidades que a gente pode visitar. A programação do ano que vem ainda está sendo feita, mas acredito que Goiânia, Curitiba e Cuiabá irão receber os shows. Terminando os shows, a turnê termina, porque já comemoramos bastante”, brincou.

No último sábado, as duas duplas e Leonardo se apresentaram no Allianz Parque, em São Paulo, mesmo local do show de encerramento da turnê em 2020, e levaram as 55 mil pessoas presentes ao delírio. “Foi a primeira vez que a gente viu um estádio completamente lotado, todos os ingressos esgotados, os alimentos e bebidas acabaram todos e a gente bateu o recorde de todos os shows no Allianz Parque. Isso mostra que a música sertaneja está com força total”, completou Chitãozinho.

Chitãozinho & Xororó, Zezé Di Camargo & Luciano e Leonardo se apresentam em show Amigos em Barretos 2019 — Foto: Érico Andrade / G1

Chitãozinho & Xororó, Zezé Di Camargo & Luciano e Leonardo se apresentam em show Amigos em Barretos 2019 — Foto: Érico Andrade / G1

*G1

Caminhonete com Luan Santana e equipe se envolve em acidente

Luan Santana e equipe passaram por um susto neste fim de semana. O cantor estava a caminho de um show, em uma feira agropecuária de Juara (640 quilômetros de Cuiabá), quando a caminhonete em que estava bateu em um carro. O acidente ocorreu na noite desse sábado. 

De acordo com informações, Luan chegou em Mato Grosso em um avião particular, que pousaria no aeródromo de Juara. Por causa de uma alteração na rota aérea, o avião do cantor aterrissou em Sinop (500 quilômetros da capital). Luan então teve seguir a viagem de caminhonete até a cidade do show, um percurso de quase quatro horas.

Por volta das 23h30min, o carro de apoio, que trazia seguranças da produção local acabou colidindo com a caminhonete que levava Luan e parte da equipe. O motorista ficou ferido e fraturou três costelas. Ele foi atendido pela equipe médica e liberado. Os outros passageiros não ficaram feridos.

Luan seguiu em outro veículo para o Parque de Exposições, onde o show foi realizado. 

*Correiodopovo

Da rejeição a hit mundial: como surgiu a música ‘Evidências’

Gravada por Chitãozinho e Xororó, a música Evidências é um marco na história da música brasileira popular. Trata-se de uma canção que quebrou barreiras culturais, venceu preconceitos musicais e até inspirou criação de cerveja.

2019 é o ano do 30º aniversário dessa canção tão emblemática. Por isso, ela é o destaque do texto de hoje: vamos te contar um pouco sobre a história por trás desse hit que arrebata até o mais frio dos corações. Vamos nessa?

Origens de Evidências

Fruto de uma parceria de José Augusto com Paulo Sérgio ValleEvidências surgiu no final da década de 1980. De lá pra cá, a canção virou uma espécie de “hino não oficial brasileiro”.

Em conversa com o Correio Brasiliense, a dupla abriu o jogo a respeito da concepção dessa obra. Para começo de conversa, eles não escreveram letra e melodia pensando em um artista específico. “Não posso dizer que a gente tenha pensando em algum intérprete, fizemos porque gostamos mesmo de fazer música romântica”, garante Valle. Por sua vez, José Augusto argumenta que a intenção “era colocar uma história de amor bem-sucedida e com positividade porque, mesmo perdendo a pessoa, ficava a positividade de que ela ia voltar”, disse.

Ainda segundo os compositores, José Augusto foi o responsável pelo toque final na letra. “Ele me ligou no dia seguinte e disse ‘a gente precisa se encontrar porque falta algo, falta uma conclusão'”, lembra Valle“Eu não senti isso, para mim estava perfeito”, completa. Foi então que Joséfinalizou a canção com os poderosos versos: “diz que é verdade, que tem saudade/que ainda você pensa muito em mim”.

“Não faz sucesso”, sentenciou uma gravadora

Apesar de ter resistido ao teste do tempo, a canção nasceu sem o menor glamour. Para entendermos melhor essa história, vamos voltar ao ano de 1989.

Naqueles tempos, segundo José Augusto, a música foi apresentada em uma reunião da qual participavam sete pessoas do meio musical. Para quase todos os presentes, a faixa era “complicada e não tinha chances de fazer sucesso”. Apenas o multifacetado Michael Sullivanenxergou algum potencial na composição e deu um jeito de encaixá-la no disco que seu irmão, o cantor romântico Leonardo Sullivan, iria lançar em junho daquele ano.

Dê o play e ouça a primeira gravação de Evidências:

Como a gravadora de Leonardo Sullivan não apostou suas fichas na canção, o lançamento não causou impacto. A faixa, inclusive, nem mesmo foi divulgada nacionalmente. Porém, nem tudo estava perdido! Continue com a gente e conheça o desfecho dessa história de sucesso.

Dupla sertaneja vira o jogo

Aparentemente, a baixa repercussão da gravação de Leonardo Sullivannão roubou a paz de José Augusto. Ciente da qualidade da canção, o compositor decidiu apresentá-la para outros artistas. Foi, então, que ele enviou uma fita com 10 faixas para a dupla Chitãozinho & Xororó, que estava selecionando repertório para um novo disco. A primeira música da lista era… Evidências!

Arrebatados pela intensidade da letra da canção, os irmãos decidiram gravá-la. Em outubro de 1990, Chitão e Xororó entraram em estúdio para gravar o disco Cowboys do Asfalto. Lançada do dia 4 de dezembro daquele mesmo ano, Evidências foi a primeira música de trabalho do álbum.

De lá pra cá, a faixa assumiu uma condição de linguagem universal. De Norte a Sul, de Lesta a Oeste [incluindo o Centro-Oeste ], não há tribo musical que não se renda ao charme dessa canção.

Todos por Evidências

Pensando no “evidente ibope de Evidências“, nós listamos as cinco versões em português mais emblemáticas da música. Infelizmente, muitos bons vídeos ficaram de fora. O importante, no entanto, é que você se diverta com roupagens “diferentonas” desse clássico incontestável.

1. A quebra de barreiras

Há pouco mais de 10 anos, em uma ação de uma marca de refrigerantes, Chitão e Xororó fizeram um som com a banda Fresno. Uma das canções da performance foi Evidências. Desde então, a turma do rock passou a enxergar essa música com outros olhos.

2. Com as bençãos da MPB

Nem mesmo a MPB sofisticada e classuda da genial Ana Carolina resistiu ao charme de Evidências. Lá no ano de 2001, bem antes da dobradinhaC&X + Fresno, a artista mineira aplicou doses sertanejas em seu repertório.

3. O Padre é mais do que pop

Durante uma estadia da Suécia, o Pe. Fábio de Melo mostrou a força da música brasileira popular! Sem se fazer de rogado, o padre tratou logo de puxar o “hino”.

4. Melhor “embromation”

Quando uma música não rende embromações de qualidade, certamente é porque a melodia não é memorável. Com base na performance da Alcione, nós concluímos que Evidências mita até na hora do “embromation”.

5. […] “mexe com minha cabeça e me deixa assim”!

A menção honrosa do clássico de Zezé Di Camargo e Luciano foi inevitável! Num dia qualquer, no vagão de um metrô, uma mulher usou Evidências para escancarar seus sentimentos! A participação da galera, que cantou numa só voz, fez o momento ser espetacular.

Nota da redação: até o fechamento deste post, Evidências contava com mais de 80 regravações. Foi gravada em francês, inglês, espanhol e italiano. Alguém aí duvida de que estamos falando de um hit mundial?

Evidências e cerveja: combinação perfeita

Em 2018, a NewAge lançou a edição especial da cerveja Salzburg Evidências. O projeto buscou inspiração no sucesso de Chitãozinho & Xororó e na recente turnê que leva o nome da música.

“O sucesso da dupla como embaixadores da marca é perfeito para brindar o mercado dos ‘loucos por cervejas’ com as embalagens colecionáveis Salzburg Evidências, nos rótulos especiais assinados pela dupla”, explica Edson Nunes, diretor comercial da NewAge.

A cerveja Salzburg tem inspiração austríaca, desenvolvida com puro malte de origem (tipo Premium Lager) e produzida com ingredientes selecionados, com coloração dourada. A Salzburg Evidências pode ser encontrada nas melhores lojas do gênero.

Como tocar Evidências

E para finalizar a nossa conversa em grande estilo, nada mais justo do que aprendermos como tocar a música Evidências. Antes de partir para o aprendizado, você precisa saber que a gravação registrada no álbum Cowboys do Asfalto é em Mi Maior, tem o BPM em 99 e segue o compasso 4/4. O arranjo da videoaula a seguir foi inspirado nessa versão imortalizada por Chitãozinho e Xororó.

Não tem mistério, amigo leitor. Basta acompanhar atentamente e ficar ligado na parte vocal. Prepare seus dedos, aqueça sua voz e bom aprendizado!

*Terra

Música Evidências, grande sucesso de Chitãozinho e Xororó completa 30 anos

Bastam os primeiros acordes para reconhecer um sucesso que atravessou décadas. Versos inflamados, interpretação sofrida e o refrão de arrebatar. “Evidências” estourou nas vozes de Chitãozinho e Xororó nos anos 1990.

Evidências é uma regravação

Leonardo Sullivan foi o primeiro cantor a gravar "Evidências" — Foto: GloboNews

Leonardo Sullivan foi o primeiro cantor a gravar “Evidências” — Foto: GloboNews

Mas eles não foram os primeiros a gravar a música, 30 anos atrás. Leonardo Sullivan foi o primeiro cantor a gravar a música “Evidências”. “Faz parte de um disco que eu fiz pela Continental em 1989”, conta Leonardo. O álbum se chama “Veneno, Mel e Sabor” , e a música “Evidências” abre o disco.

“A gravadora trabalhou a canção, mas não sei por que não trabalharam o suficiente “, diz.

Autores se encontram pela primeira vez para falar sobre o sucesso

José Augusto e Paulo Sérgio Valle se encontram pela primeira vez para falar sobre o sucesso — Foto: GloboNews

José Augusto e Paulo Sérgio Valle se encontram pela primeira vez para falar sobre o sucesso — Foto: GloboNews

A letra está na ponta da língua e é cantada a plenos pulmões, de bar em bar, sempre com muito sentimento. Mas o que muita gente não lembra é quem são os criadores dessa trilha sonora que desafia o tempo. O Jornal GloboNews Edição das 10h promoveu o reencontro de dois amigos que marcaram a música brasileira: Paulo Sérgio Valle e José Augusto, os autores de “Evidências”.

Somando os números de cada um, são cerca de 1,3 mil composições. José Augusto emplacou vários hits nos anos 1990, grande parte compondo com Paulo Sérgio Valle.

A carreira de Paulo Sérgio começou bem antes, pela bossa nova, até trilhar o caminho das músicas românticas. Tem músicas gravadas pelas maiores vozes do Brasil e uma trilha que virou sinônimo de fim de ano: “Hoje é um novo dia”.

Mas acredite: nunca antes eles estiveram juntos para relembrar o maior dos sucessos. “Trinta anos depois, é a primeira vez que a gente dá uma entrevista falando de ‘Evidências’”, diz José Augusto.

“Acho que ‘Evidências’ não tem segredo. É um fenômeno, não sei explicar o que aconteceu com essa música. É uma coisa extraordinária”, afirma Paulo.

“Já não é mais nossa, né? É do Brasil essa música, é do mundo, né?”, conclui José.

E não é exagero. “Evidências” já foi gravada em espanhol, ganhou versões em italiano, em francês e em japonês.

O Edição das 10h quis saber de quem era a experiência que resultou nessa letra tão famosa, mas os autores garantem que cada um contribuiu com sua própria história.

“É um pouco minha e um pouco dele. Mas claro que a caneta que mais pesou foi a dele”, brinca José.

“Não, foi dos dois. Olha, eu acho que soma todas essas coisas. Elas ficam no inconsciente do autor, do compositor. E aí, quando você começa a compor, aquilo começa a sair, nem você sabe”, explica Paulo.

Os autores lembram ainda que a melhor parte veio no final.

“Nós, num dado momento, consideramos que a música estava perfeita, estava terminada, tinha que ser assim. José Augusto me ligou no dia seguinte e disse: ‘Paulo, falta um complemento para a música’”, conta Paulo.

“O maior sucesso de ‘Evidências’ é exatamente esse. É naquela parte que mais fica no teu ouvido, é o: ‘Diz que é verdade, que tem saudade’. Olha que letra ele colocou, meu Deus do céu! ”, lembra José.

E parece que o encontro vai render novos sucessos! “A partir dessa ideia de fazer essa matéria com a gente, nós resolvemos que vamos fazer outras músicas novas”, revela Paulo Sérgio.

“Vou te contar uma história: o Chitãozinho me ligou tem uma semana, pediu uma música nossa. Falei: ‘, vou dar uma olhada lá e te mando alguma coisa’. Ele disse: ‘Manda uma ‘Evidências’’. Eu já falei até com o Paulo, vamos fazer quatro!”, promete José.

Não foi de primeira: “Evidências” foi descartada pela gravadora

José conta que, curiosamente, assim que ficou pronta “Evidências” foi descartada pela gravadora: “Mostrei a música e as pessoas ouviram e disseram: ‘Essa música não é muito boa’. Eu fiquei tão sem graça, porque acreditava em ‘Evidências’. Aquilo ali foi um balde de água fria, uma decepção. Nesse dia estava presente o Michael Sullivan, que me disse: ‘Posso levar essa música para gravar com meu irmão?’. Eu disse: ‘Pode’. Era o Leonardo Sullivan”.

“Foi uma canção que bateu na gente de uma forma muito direta, e a impressão foi a melhor possível”, disse Leonardo.

O sucesso nas vozes de Chitãozinho e Xororó

Sucesso veio nas vozes de Chitãozinho e Xororó — Foto: GloboNews

Sucesso veio nas vozes de Chitãozinho e Xororó — Foto: GloboNews

Chitãozinho e Xororó lembraram a reação que tiveram quando ouviram a canção pela primeira vez. José Augusto, que acreditava no sucesso da música, mandou uma fita para a dupla: “Entre as músicas que ele mandou, uma meia-dúzia de inéditas, essa ele falou: ‘Gente, me desculpem, porque essa música eu achei que tinha a ver com vocês mas ela já foi gravada, mas não foi divulgada ainda, não sei o que aconteceu, pelo irmão do Michael Sullivan. Uma regravação. Mas se vocês quiserem aproveitar…’ Quando a gente ouviu, meu Deus!”, lembra Xororó.

Na opinião da dupla, que mais cantou a música até hoje, “Evidências”, além de profunda, é complexa. “A harmonia dela não é fácil”, confessa Chitãozinho. “É por isso que a gente não consegue explicar, porque tem uma música chiclete, um refrão fácil, é fácil as pessoas decorarem. Mas ‘Evidências’ tem uma harmonia até enjoada”, diz Xororó.

Fenômeno nos karaokês

"Evidências" faz sucesso nos karaokês — Foto: GloboNews

“Evidências” faz sucesso nos karaokês — Foto: GloboNews

De lá pra cá, um fenômeno chama a atenção. Mesmo depois de tantos anos, basta alguém puxar o coro que todo mundo quer cantar. Já teve “Evidências” na saída de um show de rock, do Foo Fighters. E até na Rússia, durante a Copa. E se tem um lugar onde só dá “Evidências”, é nos karaokês.

A entidade que organiza o campeonato mundial de karaokê fez uma pesquisa que mostrou: em média, “Evidências” é tocada 5,2 vezes por noite em cada máquina.

Glória soltou a voz no aniversário da filha — Foto: GloboNews

Glória soltou a voz no aniversário da filha — Foto: GloboNews

A Glória, de 63 anos, foi ao karaokê com a filha para cantar o clássico. E ela garante que a canção não envelhece nem perde o público: “Não perde porque vem lá do fundo do coração. Aí fica difícil de se esquecer de uma canção dessas, faz parte da vida de todo mundo”.

Veja a letra completa pra não errar na hora de soltar a voz

Quando eu digo que deixei de te amar

É porque eu te amo

Quando eu digo que não quero mais você

É porque eu te quero

Eu tenho medo de te dar meu coração

E confessar que eu estou em tuas mãos

Mas não posso imaginar

O que vai ser de mim

Se eu te perder um dia

Eu me afasto e me defendo de você

Mas depois me entrego

Faço tipo, falo coisas que eu não sou

Mas depois eu nego

Mas a verdade

É que eu sou louco por você

E tenho medo de pensar em te perder

Eu preciso aceitar que não dá mais

Pra separar as nossas vidas

E nessa loucura de dizer que não te quero

Vou negando as aparências

Disfarçando as evidências

Mas pra que viver fingindo

Se eu não posso enganar meu coração

Eu sei que te amo

Chega de mentiras

De negar o meu desejo

Eu te quero mais que tudo

Eu preciso do seu beijo

Eu entrego a minha vida

Pra você fazer o que quiser de mim

Só quero ouvir você dizer que sim

Diz que é verdade, que tem saudade

Que ainda você pensa muito em mim

Diz que é verdade, que tem saudade

Que ainda você quer viver pra mim

Compositores: Paulo Sérgio Kostenbader Valle / José Augusto Cougil

*G1

Paula Fernandes diz que escreveu “Juntos e shallow now” em duas horas: “Se não gosta, não entra no meu perfil”

A cantora Paula Fernandes sabe que Juntos, versão em português de Shallow, é um sucesso fora da curva. Em entrevista, a artista disse que compôs a faixa em duas horas, logo após o aniversário da promotora de eventos Carol Sampaio, no Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. Além disso, ela antecipou que está preparando novas músicas em inglês adaptadas para o português.

Um dos pontos que mais chamou a atenção das redes sociais é o trecho “juntos e shallow now”.

— Tenho a licença poética de me expressar dessa forma. E todo mundo esquece que tem um contexto do início da música que é muito profundo, quando fala sobre “colar os nossos pedaços”. Aí entrou o meu dom criativo, e eu tenho muito orgulho disso. Como eu digo: se não gosta, não entra no meu perfil — disse Paula1.

Logo após escrever a canção completa, ela enviou para o empresário Marcelo Maia, que a questionou sobre manter o trecho. Paula defende que a frase “é muito forte” e que não se trata de uma tradução, e sim de uma versão adaptada: 

— O debate por telefone com eles foi manter ou não a palavra “shallow”. Para mim, ficou claro que deveria manter. Até para as pessoas ouvirem o verso que ficou tão famoso. Eu tentei colocar palavras em português, mas não ia funcionar para mim. Completei com a palavra que é o nome da música, que é forte. E o “now” terminando a frase. Musicalmente ficou perfeito.

Além disso, ela frisa que a música não tem o objetivo de ser uma comparação, pois “é um tributo”.  

— Obviamente alguém não ia gostar. Assim como muita gente abraçou, e todo mundo cantarola. Fui reconhecida todos esses anos por um trabalho muito bem feito. Não dá para agradar a todo mundo. O Almir Sater diz que contra boas obras não há argumentos. Eu não queria comparar. Foi uma coisa que ficou suave.

Nos próximos meses, a cantora deve lançar novas adaptações de faixas em inglês para o português, sendo que uma delas é “bem conhecida”. 

*Zerohora

Marília Mendonça recebe cheque sem fundo como pagamento por show realizado no Maranhão

Parece que a cantora Marília Mendonça não se deu bem no último dia 5 de maio. De acordo com o colunista Leo Dias, o evento, que aconteceu na cidade de Caxias, no Maranhão, ainda não pagou o valor completo do show da sertaneja. 

Foto: Reprodução | Instagram

Ainda segundo o jornalista, a equipe da cantora recebeu uma quantia em dinheiro e o restante em cheque, no valor de pouco mais de R$130 mil, sem fundos. 

Foto: Divulgação

O cheque foi destinado à empresa Sentimento Louco Produções Artísticas, que está no nome de Marília Mendonça. 

Conforme Leo Dias, a assessoria de imprensa de Marília Mendonça disse que tanto o departamento jurídico, quanto o responsável pela agenda da cantora, já estão tentando resolver a situação.

*ibahia

Spotify lança podcast que conta história da música sertaneja

O Spotify lançou o podcast Prepare Seu Coração, que conta a história da música sertaneja e tem apresentação de Lorena Lara. Ao todo, serão 11 episódios semanais, divulgados às quintas-feiras, que terão a participação de artistas que fizeram e fazem parte dessa trajetória da canção popular.

Estão na lista nomes como Gusttavo Lima, Day & Lara, Jads e Jadson, Maiara & Maraisa, Luan Santana, César Menotti & Fabiano, Bruno e Marrone, Zé Neto & Cristiano, Diego & Victor Hugo, Henrique & Diego, Fernando & Sorocaba, Thiago Brava e Roberta Miranda. 

*Correiodopovo

Simone fala sobre reação de Maraisa por não ser embaixadora de festa

Lembra que há algum tempo falamos que a Maraísa, da dupla com Maiara, não havia gostado nadinha da escolha de Simone e Simaria como Embaixadoras da Festa de Peão de Barretos?

Na ocasião, ela disse que só existia um Embaixador e que era o sertanejo Gusttavo Lima.

O tempo passou, mas nem todo mundo esqueceu a desagradável situação.

Agora, pela primeira vez, Simone falou sobre essa confusão e que descobriu o real motivo dos comentários da amiga.

“Na verdade foi uma surpresa pra gente a Maraisa ter feito aquele comentário. Depois a Maiara me ligou pedindo desculpas pela irmã, e depois a outra (Maraisa) também me ligou se explicando e dizendo que na verdade o problema dela não era com a gente e sim com o dono do evento, que tinha prometido o título (de embaixadoras) pra elas e acabou passando pra gente. Enfim, não sei de nada, se prometeu ou se não prometeu. Eu sou muito tranquila, muito da paz e do amor e acho que a gente tem que se unir”.

Na internet, alguns fãs disseram que a confusão estava explicada, mas outros seguiram dizendo que a resposta não colou muito.

E aí, você também acha que no fundo rolou uma invejinha branca?

*terra

Volta do ‘Amigos’ terá Chitãozinho & Xororó, Zezé & Luciano e Leonardo em turnê pelo Brasil

O projeto “Amigos” fez sucesso nos anos 1990 por reunir três das duplas mais famosas do sertanejo na época. Para marcar os 20 anos do projeto, Chitãozinho & Xororó, Zezé Di Camargo & Luciano e Leonardo se reúnem novamente para uma turnê pelo Brasil.

Os cantores iniciarão a programação de shows em 20 de julho, quando é celebrado o Dia do Amigo. Mas a primeira apresentação pode ser vista neste domingo (5), no programa “Fantástico”, da Rede Globo.

Tadeu Schmidt e Poliana Abritta recebem Xororó, Luciano, Chitãozinho, Leonardo e Zezé Di Camargo no palco do ‘Fantástico’ para celebrar a volta do projeto ‘Amigos’ — Foto: Globo/ Felipe Martini

Tadeu Schmidt e Poliana Abritta recebem Xororó, Luciano, Chitãozinho, Leonardo e Zezé Di Camargo no palco do ‘Fantástico’ para celebrar a volta do projeto ‘Amigos’ — Foto: Globo/ Felipe Martini

Muitas músicas foram lançadas pelos cinco cantores desde os encontros há duas décadas. Neste momento, o principal desafio é definir o repertório. “Estamos nessa batalha agora. Selecionar o repertório é a meta mais difícil. A roda de viola, uma das coisas que a gente mais gostava de fazer no show, não vai faltar”, declarou Xororó.

O cantor Leandro, irmão e dupla de Leonardo, será homenageado na turnê. Leandro morreu em 1998, aos 36 anos, após um câncer no pulmão.

*G1

‘Geração do sertanejo dos últimos 10 anos está cantando tudo igual’, diz Bruno, parceiro de Marrone

Há 25 anos, Bruno e Marrone mostravam o que é a tal da sofrência com os versos de “Dormi na Praça”. Pois é, já faz todo esse tempo que eles gravaram o refrão de clemência para um guarda. O estouro veio cinco anos depois, em um CD pirata que registrava a participação da dupla em um programa de rádio.

“Há 25, éramos dois sonhadores tendo a oportunidade de gravar LP. E era muito difícil. Já tínhamos quase 10 anos cantando em bar e as gravadoras eram muito restritas. Quando começamos a gravar, foi muito bom. Era emocionante a gente se ouvir no rádio”, relembra Bruno.

“Hoje, se não ouvirmos alguma coisa na rádio, tem alguma coisa errada.” O cantor não está exagerando. Além de “Beijo de Varanda”, desde julho de 2018 entre as mais ouvidas das rádios, eles emplacaram “Surto de Amor”. A música está no “Studio Bar – Live”, álbum recém-lançado que celebra os 25 anos do primeiro álbum.

Bruno, dupla de Marrone — Foto: Divulgação

Bruno, dupla de Marrone — Foto: Divulgação

Mas se dependesse só de Bruno, ela não teria sido gravada. O cantor não gostou da canção quando a ouviu. “Quando ouvi com o rapaz cantando não adaptei a nada. Falei pro Juninho [produtor]: ‘Meu Deus, que música ruim. Aí fui e coloquei a voz numa má vontade do caramba.”

Bruno só se convenceu que ela seria boa quando viu o sucesso da música entre a mulher, Marianne Rabelo, e suas amigas durante um churrasco em casa. “Eu não sei nada mais. Usei meu feeling todo pra minha carreira. Então, agora fico mais prestando atenção no que os outros gostam”.

Parceria com Jorge e Mateus

Bruno contou que teve medo de Jorge e Mateus, dupla escolhida para a gravação, não gostar da faixa. “O Jorge me ligou falando que queria gravar alguma coisa porque não aguentava mais ouvir a mesma coisa”.

“Essa geração do sertanejo dos últimos 10 anos está cantando tudo igual, tudo o mesmo timbre, o mesmo papo, a mesma melodia”.

“A gente quis mudar, fazer algo diferente. É uma valsa. Arriscando e graças a Deus o resultado foi excelente”.

Nova música sertaneja

As duplas Zé Neto e Cristiano e George Henrique e Rodrigo são os nomes dos novos sertanejos que Bruno ouve e admira atualmente. “Um já está estourado e o outro está a um passo para acontecer”. E o que falta para George Henrique e Rodrigo estourarem? “Falta a música. E ela vem só quando Deus permite”.

Ainda mais jovem do que eles, outro nome da nova geração é alguém bem conhecido de Bruno: seu filho, Enzo. A primeira canção do garoto de 11 anos foi “Meio caminho andado”. “Fizemos o clipe, mas sem pretensão de estourar nem nada. E a música explodiu”.

Não foi coincidência o fato de a música ter sido composta por Waléria Leão, filha de Fátima Leão, compositora de “Dormi na praça”. A compositora atendeu ao pedido de Bruno.

Bruno, dupla com Marrone com seu filho Enzo Rabelo, depois da gravação do clipe de 'Meio Caminho Andado' — Foto: Divulgação

Bruno, dupla com Marrone com seu filho Enzo Rabelo, depois da gravação do clipe de ‘Meio Caminho Andado’ — Foto: Divulgação

“Virei o pai do Enzo agora. É muito gratificante”, diz Bruno. Mas não sem antes dar aquele puxãozinho de orelha.

“Mas a responsabilidade se torna ainda maior. Ver o que ele está fazendo, o que está vendo no celular, qual música ele vai gravar, qual show que ele pode fazer. E ele já não gosta de estudar, como o pai… É um briga, aula particular, dá a maior canseira”.

*G1