“Rocketman”, filme sobre Elton John, estreia em Cannes

Astro considerado excêntrico por muitos, o cantor inglês Elton John colocou seu excepcional repertório musical a serviço da luta contra a aids e agora sua música pop engajada chega aos cinemas com “Rocketman”, filme exibido fora de competição no Festival de Cannes. Dirigido por Dexter Fletcher, o longa-metragem será projetado nesta quinta-feira na presença do artista de 72 anos, interpretado pelo ator britânico Taron Egerton.

O filme explora a ascensão do cantor e compositor, assim como sua frutífera relação de trabalho com Bernie Taupin, que escreveu as letras de várias de suas canções. Os dois se conheceram ao responder a um anúncio publicado por uma gravadora de Londres em 1967, quando o cantor, cujo nome verdadeiro é Reginald Kenneth Dwight, tinha 29 anos e adotou o nome artístico de Elton Hercules John.

A parceria gerou um fenômeno mundial, iniciado em 1970 com o álbum “Elton John”, que tinha o hit “Your Song”. Entre 1970 e 1976, a dupla lançou 14 álbuns, que incluíram canções que se tornaram clássicos, entre elas “Rocket Man”, “Crocodile Rock”, “Bennie and the Jets” e “Don’t Go Breaking My Heart”. Após um breve afastamento, os dois retomaram a colaboração em 1980, o que levou Elton John novamente ao topo das paradas, especialmente com a canção “I’m Still Standing”.

Com a música “Candle in the Wind 1997”, um sucesso de 1973 que o cantor reescreveu a pedido da família real britânica em homenagem à princesa Diana e que interpretou no funeral de sua amiga na Abadia de Westminster, Elton John bateu o recorde de single mais vendido no mundo: 33 milhões de exemplares.

Bastidores obscuros

No palco, o figurino extravagantes e suas acrobacias atraíam multidões. Mas nos bastidores o cenário era obscuro, com drogas, álcool e crise de bulimia. Até que o cantor conheceu um jovem hemofílico contaminado com o vírus da aids no início dos anos 1990, o que marcou uma guinada em sua carreira e uma mudança radical em sua vida. “Era desintoxicar ou morrer”, explicou o artista, que se considera “sortudo” por não ter contraído o HIV.

Ele criou a Fundação Elton John de combate a Aids em 1992, um ano depois da morte de seu amigo Freddie Mercury, líder do grupo Queen, vítima da doença. A rainha Elizabeth II o nomeou cavaleiro em 1998. A recuperação pessoal foi acompanhada de uma ressurreição musical, marcada pelo êxito de “Sacrifice” em 1990. Após uma cirurgia nas cordas vocais em 1987, sua voz ganhou um tom mais grave.

300 milhões de discos

Elton John vendeu mais de 300 milhões de discos no mundo, fez mais de 3.500 shows e venceu diversos prêmios, incluindo um Oscar em 1995 pela canção “Can You Feel the Love Tonight”, composta para a animação “O Rei Leão”. En 2016, seu 33º álbum de estúdio, “Wonderful Crazy Nights”, mais uma colaboração com Bernie Taupin, foi um dos 10 mais vendidos no Reino Unido.

Com um retorno às origens roqueiras de seu piano, Elton John demonstrou sua alegria de viver, entre seu casamento e a paternidade recente. “Olhar para trás é uma perda de tempo”, cantou em “Looking Up”. Na balada final “The Open Chord”, fala sobre a vida familiar e faz referência ao fim dos “pecados” e os “horrores que o diabo me fazia carregar todos os dias”.

Elton John se casou com seu companheiro David Furnish em 2014, poucos meses depois da legalização do casamento gay na Inglaterra. O casal tem dois filhos: Zachary, nascido em 2010, e Elijah, nascido em 2013. No ano passado, o cantor e compositor anunciou que se aposentaria após uma turnê de despedida de três anos para passar mais tempo com seus filhos.

Longe dos palcos e apegado a suas raízes, Elton John é presidente honorário vitalício do Watford, que disputa a Premier League, desde 2009. De acordo com a lista de 2019 do jornal Sunday Times dos músicos mais ricos do Reino Unido, Elton John aparece em quarto lugar com uma fortuna de 320 milhões de libras.

*Correiodopovo

“Estou sendo punida por ter 60 anos”, desabafa Madonna sobre peso da idade

Considerada por muitos como a “rainha do pop”, a cantora Madonna desabafou sobre o peso da idade quando se trata do universo da música. Em entrevista à edição de junho da revista Vogue britânica, a cantora disse que sente que está sendo “punida” por fazer 60 anos.

“As pessoas sempre tentaram me silenciar por uma razão ou outra, seja porque não sou bonita o suficiente, não canto tão bem, não sou tão talentosa, não sou casada o suficiente, e agora é que não sou jovem o suficiente. Então, eles continuam tentando encontrar um gancho. Agora eu estou lutando contra o preconceito da idade, estou sendo punida por ter completado 60 anos”, revelou.

Madonna lança seu 14º álbum de estúdio, Madame X, em junho. O trabalho foi produzido durante residência da cantora em Portugal. O processo de gravação de Madame X, composto por 15 músicas que combinam inglês, português e espanhol, durou 18 meses com sessões em Portugal, Reino Unido e Estados Unidos.

Além de Maluma, que participa das canções “Medellín” e “Bitch, I’m loca”, outros colaboradores do álbum são: a brasileira Anitta, na faixa “Faz Gostoso”; o americano Quavo, membro do grupo de rap Migos, com a canção “Future”; e também a americana Swae Lee, em “Crave”.

Confira o vídeo de apresentação de “Madame X”:

Lenny Kravitz exibe sua fazenda no Rio de Janeiro em vídeo no Youtube

O cantor americano Lenny Kravitz exibiu sua fazenda do Rio de Janeiro em um vídeo no Youtube, mostrando o que contém nos cômodos da casa principal, além de frutas e vegetais produzidos por lá e até local de ensaio de sua banda. “Quando você entra neste lugar, entra em uma fazenda em que todos comem lindos produtos orgânicos, é um otimo lugar para vir e ser criativo e é uma parte da vida que, felizmente, não nos cansamos”, conta.

Ele entra na casa, mostra um piano, que comprou há 25 anos, e uma pintura de seu afilhado. Quando vai ao quarto, mostra uma fotografia de seu avô, feita por Ruven Afanador, nas Bahamas, enquanto gravava o album “Circus”. “Sempre quero poder tocar um instrumento”, diz o cantor. Por conta disso, ele possui um amplificador Fender e uma guitarra preta Les paul, da Gibson, para poder tocar na casa. Além disso, a banda dele está lá, “fazendo ensaios, refeições e vivendo juntos”. Em um dos cômodos, ele exibe uma poltrona vermelha que pertenceu a Andy Warhol. 

*Correiodopovo

Elton John revela que “Rocketman” foi fiel à sua história

Outra cinebiografia de um rockstar tomará conta dos cinemas no próximo mês. “Rocketman” mostrará a vida pessoal e profissional de Elton John, músico britânico que já vendeu mais de 300 milhões de disco e tornou-se um dos músicos de maior sucesso do mundo. 

Segundo o Elton John, o longa dirigido por Dexter Fletcher foi fiel à sua trajetória. “A história tinha que ser a mais honesta possível. Os baixos foram bem baixos, mas os altos também foram bem altos. E era assim que eu queria fosse que o filme”, confessou John em vídeo sobre o filme. 

O próprio diretor relatou que o filme é uma fantasia musical épica sobre a incrível história da carreira do ícone da música. “Esse filme é uma releitura mágica do Elton John sobre a sua própria vida. Pelo Elton ser naturalmente quem ele é, sua história nos permite entrar em um mundo de fantasia e imaginação”, revelou Fletcher.

O ator Taron Egerton foi o responsável por dar vida a John nas telonas. “É incrível como esse garoto humilde se tornou um dos maiores ícones do mundo da música. A maior alegria da minha carreira profissional foi fazer esse filme”, comemorou Egerton.

“Rocketman” mostra a fantástica jornada de transformação do tímido garoto e pianista prodígio Reginald Dwight no superstar internacional Elton John, uma das figuras mais icônicas da cultura pop. O elenco ainda  conta com Jamie Bell, interpretando o compositor parceiro de longa data de Elton John, Bernie Taupin, Richard Madden, como o primeiro empresário de Elton, John Reid, e Bryce Dallas Howard, como a mãe de Elton, Sheila Farebrother.

*Correiodopovo

Álbum póstumo de Avicii é anunciado para junho

Após quase um ano de sua morte, o DJ e produtor Avicii ganhará um álbum póstumo, anunciado pela sua família e colaboradores para 6 de junho deste ano. De acordo com o site Deadline, o disco se chamará “Tim”, em referência ao seu nome real, Tim Bergling.

Segundo a publicação, o álbum irá conter canções que Avicii estava trabalhando antes de morrer e que foram finalizadas pela sua equipe. O primeiro single, “SOS”, será lançado na próxima semana, dia 10 de abril.

“A família decidiu não manter a música trancada – em vez disso, eles queriam compartilhá-la com seus fãs em todo o mundo”, afirmou a equipe em um comunicado oficial. Todo o lucro do álbum póstumo será destinado para a fundação em prol da saúde mental criada pela sua família em março deste ano.

Avicii morreu aos 28 anos, em abril do ano passado. Em vida, o produtor lançou dois álbuns, “True” e “Stories” e ficou mundialmente conhecido pelas faixas “Wake Me Up” e “Hey Brother”.

*Correiodopovo

Vocalista do Iron Maiden declarado cidadão honorário de Sarajevo por show durante a guerra

A cidade de Sarajevo declarou neste sábado como cidadão honorário o cantor Bruce Dickinson, vocalista do grupo Iron Maiden, para agradecer pelo apoio que deu à capital da Bósnia durante a guerra dos anos 1990. Na época em uma turnê mundial para promover o álbum solo “Balls To Picasso”, Dickinson fez um show em dezembro de 1994 na Sarajevo sitiada, onde chegou em um comboio humanitário escoltado por forças da ONU.

Em 14 de dezembro de 1994, a sala BKC, uma antiga mesquita ficou lotada para um momento raro de normalidade na cidade, que estava isolada do mundo. “Foi necessária muita coragem e humanidade para vir em 1994 a uma Sarajevo devastada e cercada, para dizer ‘não’, e defender o fim da pior guerra na Europa desde a Segunda Guerra Mundial”, afirmou Igor Gavric, presidente do Conselho Municipal, em uma cerimônia na prefeitura.

A cerimônia faz parte de uma celebração pela libertação da cidadade da Segunda Guerra Mundial. Todo ano um indivíduo recebe o título por ter contribuído com o desenvolvimento da cidade.

“Em um mundo no qual a maioria das coisas dura cerca de cinco minutos nas redes sociais é incrível que, quase 25 anos depois do show que fizemos em Sarajevo, isto signifique tanto para as pessoas a ponto de me darem este prêmio simbólico”, declarou Bruce Dickinson, muito aplaudido.

Mais de 11.000 pessoas morreram no cerco a Sarajevo, que durou 44 meses. Os habitantes da cidade redescobriram o show graças ao documentário de 2016 “Scream for me, Sarajevo!”, uma frase que Dickinson falou para o público durante a apresentação.

*Correiodopovo

Família de Avicii cria fundação em prol da saúde mental

Familiares do DJ e produtor musical Avicii anunciaram a criação de uma fundação em prol da saúde mental. De acordo com comunicado oficial, a institução levará o nome de batismo do artista, Tim Bergling, e terá a missão de “apoiar pessoas e organizações que trabalham no campo da saúde mental e prevenção de suicídio”. O músico foi encontrado morto em Mascate, capital de Omã, em 20 de abril do ano passado. 

Sediada na Suécia, a Tim Bergling Foundation também deverá angariar fundos e estimular a conscientização para várias causas, incluindo as alterações climáticas, a assistência ao desenvolvimento, a conservação da natureza e de espécies ameaçadas. “Tim queria fazer a diferença – começar uma fundação em seu nome é a nossa maneira de honrar sua memória e continuar a agir em seu espírito”, disse a família.

Ligação para prevenção ao suicídio no Brasil é gratuita

Ligações para o Centro de Valorização da Vida (CVV), que auxilia na prevenção do suicídio, passaram a ser gratuitas em todo o país em 2018. Um acordo de cooperação técnica com o Ministério da Saúde, assinado em 2017, permitiu o acesso gratuito ao serviço, prestado pelo telefone 188. Por meio do número, pessoas que sofrem de ansiedade, depressão ou que correm risco de cometer suicídio conversam com voluntários da instituição e são aconselhados.

A ligação gratuita para o CVV começou a ser implantada em Santa Maria, há quatro anos, após o incêndio na boate Kiss, que matou 242 jovens. O centro existe há 55 anos e tem mais de 2 mil voluntários atuando na prevenção ao suicídio. A assistência também é prestada pessoalmente, por e-mail ou chat.

*Correiodopovo

Vocalista do Coldplay pede proteção contra fã que o persegue

Chris Martin teve de entrar com pedido de proteção contra uma mulher que aparece com frequência na casa onde vive, nos Estados Unidos.

Ela tenta entrar em contato com ele e acredita que os dois mantêm um relacionamento.

O vocalista do Coldplay pediu ordem de restrição contra a mulher e diz que ela chegou a colocar um pacote pelo portão.

O cantor conta que esta fã é agressiva e está preocupado com o que ela pode fazer com ele ou com a equipe.

De acordo com o portal The Blast, a fã deixou cartas falando sobre suicídio, os filhos dele e do “relacionamento” que existe apenas na mente dela.

No pedido de proteção, Chris Martin inclui a namorada Dakota Johnson e os filhos do relacionamento anterior com a atriz Gwyneth Paltrow

‘Bohemian Rapsody’ estreia na China com censura de cenas sobre homossexualidade e HIV de Freddie Mercury

O filme sobre Freddie Mercury, “Bohemian Rhapsody” (2018), foi lançado na China na sexta-feira, mas com censura a trechos que fazem referência à homossexualidade do cantor da banda Queen e ao seu diagnóstico de HIV.

Vários minutos do longa foram cortados, incluindo cenas em que dois homens se beijam e em que a palavra “gay” é pronunciada.

Na internet, houve uma grande reação ao lançamento do filme no país asiático. Mais de 50 mil usuários publicaram resenhas no Sina Weibo, equivalente ao Twitter no país e uma das redes sociais mais populares entre os chineses.

Embora alguns usuários tenham se queixado de “assistir ao filme pela metade e ter de adivinhar” o que acontecia na tela por causa das cenas eliminadas, outros se disseram satisfeitos pelo fato de o filme ter sido lançado no país.

O que foi cortado?

Na versão chinesa do filme, várias cenas foram alteradas ou excluídas. Referências explícitas ou implícitas à sexualidade de Mercury foram cortadas, incluindo uma cena importante em que ele sai do armário para sua então namorada.

Outras cenas removidas incluem um close-up da virilha de Mercury enquanto ele se apresenta, interações com seu companheiro Jim Hutton e toda a sequência em que o personagem e seus colegas de tela recriam o icônico videoclipe do Queen de 1984 para o single I Want to Break Free, em que os músicos se vestem com roupas femininas.

Qual foi a reação?

Milhares de chineses têm compartilhado pelas redes sociais avaliações do filme. A maioria é positiva – no Sina Weibo, por exemplo, 80% deram a nota máxima, cinco estrelas.

Mas também houve críticas ​​às alterações. “Teria sido melhor se cenas não tivessem sido eliminadas”, escreveu um usuário na rede social. “Por que é necessário excluir o conteúdo relacionado a gays? A vida de uma pessoa não deve ser completa?”

Outro usuário disse ser “muito bom que Bohemian Rhapsody esteja sendo exibido na China”. “Mas o enredo foi comprometido por causa de cenas apagadas.”

Por que foi censurado?

Relações homossexuais são legalizadas na China há mais de duas décadas, e a Sociedade Chinesa de Psiquiatria removeu a homossexualidade da classificação de transtornos mentais do país em 2001. Mas a censura ao filme foi amplamente antecipada.

Nos últimos anos, autoridades chinesas iniciaram uma campanha contra qualquer conteúdo considerado “inapropriado”. Referências explícitas a relações entre pessoas do mesmo sexo são proibidas. Conteúdos gays são frequentemente removidos ou censurados pela mídia chinesa, para seguir as regras impostas pelo governo.

Em fevereiro, a cobertura do Oscar pela emissora Mango TV foi duramente criticada por alterar uma referência à homossexualidade no discurso de Rami Malek, que interpreta Freddie Mercury, ao receber o prêmio de melhor ator. A mesma emissora foi alvo de protestos em 2018 por censurar bandeiras do arco-íris, símbolo do movimento LGBTI, e tatuagens em sua transmissão do concurso musical Eurovision.

No início deste ano, o serviço de streaming iQiyi foi ridicularizado por borrar as orelhas de atores que usavam brincos, o que foi interpretado como uma tentativa de perpetuar os papéis de gênero “tradicionais”.

Barbra Streisand diz que Michael Jackson molestou mas “não matou”

Eis aqui um caso em que a artista em questão perdeu a oportunidade de ficar de boca fechada. A atriz e cantora Barbra Streisand, uma das mais reconhecidas em Hollywood, falou uma grande besteira sobre Michael Jackson e seus supostos abusos. Após assistir ao documentário Deixando Neverland, que mostra os atos cometidos pelo Rei do Pop contra crianças, a atriz saiu com essa: “Você pode dizer ‘molestado’ para aqueles meninos, mas eles estavam emocionados por estarem lá [na casa de Michael]. Os dois se casaram e tiveram filhos, então isso [o abuso] não os matou”, disse ao The Times.

A frase dita por Barbra é um desastre total. A impressão que fica ao ouvir (ou ler) isso é que Michael abusou mesmo dos dois garotos — hoje já homens – mas que ninguém morreu na “brincadeira”. Então, tudo bem. Pode até ser que a atriz tenha se expressado mal, mas o que está dito está dito. E ninguém gostou dessa declaração. Tanto é que houve uma reação forte das pessoas nas redes sociais contra a posição de Streisand. O que ela fez foi dar aquela passada de pano nos atos sexuais do cantor com as duas vítimas do documentário, que são Wade Robson e James Safechuck.

A atriz e cantora Barbra Streisand

A atriz e cantora Barbra Streisand

Divulgação

Apesar dessa declaração desastrosa, Barbra acredita sim na culpa de Jackson e contou que foi muito doloroso assistir a Deixando Neverland. A atriz, que conheceu o Rei do Pop, contou que ele era “muito doce e que tinha um jeito de criança”. Continuou: “suas necessidades sexuais eram suas necessidades sexuais, vindas de sua infância ou de seu DNA”.

Completando o raciocínio, Barbra contou que tem “uma combinação de sentimentos [sobre o assunto]. Me sinto mal pelas crianças. Me sinto mal por ele. Eu culpo, acho, os pais, que permitiram seus filhos dormir com ele. Por que Michael precisava dessas crianças vestidas como ele nos shows?”, perguntou.

*R7